Susana Gateira: inspirada pelo saber-fazer da família, criou uma marca de fitness

Apaixonada por desporto, a designer ilhavense dedica-se, há mais de 20 anos, a imprimir uma boa dose de estilo no vestuário desportivo.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Os vídeos de Jane Fonda inspiraram, no início dos anos 1980, milhares de pessoas por esse mundo fora – não é por acaso que, ainda hoje, a actriz é considerada uma referência no que toca à história do fitness e do seu vestuário. A aeróbica virou moda, um pouco por toda a parte, ditando o uso de uma nova indumentária no ginásio: as roupas coladas ao corpo tinham vindo para ficar. Atenta a todo este movimento, e sendo ela própria uma amante do fitness, Susana Gateira começou a desenvolver, em 1991, as suas primeiras experiências na criação de vestuário para ginástica. Em 1997, criou a marca epónima e, com a ajuda do irmão, Rui Gateira, tem vindo a insistir nesse propósito de colocar os consumidores a praticar desporto com estilo.

Nascida e criada no seio de uma família que já tinha uma pequena unidade de confecções de fatos de treino, a designer ilhavense, de 51 anos, confessa ter sido impulsionada pela constatação de que, nessa época, “só havia a típica calça de fato de treino e a T-shirt” para praticar desporto. Contrariando os conselhos da mãe – que preferia vê-la afastada do desgaste da sua própria profissão –, Susana Gateira agarrou-se à máquina de costura e começou a criar peças de roupa de fitness mais femininas, “com estilo e design”. Desde então, nunca mais parou – passando a produzir, também, roupa masculina. Já lá vão 22 anos, uns bons milhares de peças e umas quantas colecções.

PÚBLICO -
Foto

Actualmente, a marca conta com nove lojas físicas (Aveiro, Coimbra, Porto, Braga, Famalicão, Leiria, Lisboa, Setúbal e Viseu) e uma plataforma de vendas online, mantendo os princípios de sempre: a aposta em “matérias-primas de qualidade superior”, um “design atractivo e moderno” e uma “confecção cuidada”. Susana Gateira não larga a máquina de costura, especialmente no que toca a criar os “protótipos”. “Eu costuro cada um dos protótipos e uso-os”, afiança a criadora, que gosta de testar os materiais e as costuras de cada peça que, depois, irá lançar no mercado. “Andámos um ano e meio a estudar um top com pad [almofada], porque queríamos que ele parece o mais natural possível”, exemplifica, por seu turno, Rui Gateira.

A ameaça das grandes cadeias de roupa

Susana e Rui Gateira não têm pruridos em reconhecer que a marca tem estado sujeita a vários desafios, nos últimos anos. Como se não bastasse a “redução do poder de compra dos portugueses”, esta e outras marcas de roupa de desporto têm sido confrontadas com a ameaça das grandes cadeias. “Quase todas as marcas de roupa têm, agora, uma linha de fitness”, repara a estilista ilhavense. E se é verdade que parte dos consumidores pode escolher na hora de comprar, a maioria não estará em condições de o fazer. Resultado? “Há pessoas que acabam por comprar T-shirts ou outra roupa com uma qualidade inferior”, aponta Rui Gateira, dando o exemplo das “T-shirts que são oferecidas nas provas de corridas” que vão acontecendo um pouco por todo o país. “São feitas com um tecido de pouca qualidade, que deixa até alguns homens com os mamilos em sangue”, adverte.

No ateliê da marca, sediado em Ílhavo, só entram “matérias-primas de qualidade” – nacionais, europeias e brasileiras –, que, por mais “selos” de garantia que possam trazer, são sujeitas a uma avaliação inicial implacável. “Se um tecido não me agradar ao toque nem sequer entra”, afiança Susana Gateira.

PÚBLICO -
Foto

No total, a marca – à qual se juntou também como sócio o actor Alexandre Silva –, emprega 21 pessoas. No passado, chegaram a ser mais de 40. As alterações no mercado obrigaram a empresa a redimensionar-se e a concentrar esforços no segmento de clientes que consegue perceber (e pagar) “a diferença entre uma peça de roupa Susana Gateira e outra qualquer”, destaca a designer. O futuro também irá passar por aí, cumprindo o desafio “estar sempre a fazer coisas diferentes, de qualidade, sem correr atrás do preço”, vinca, por seu turno, Rui Gateira. Acima de tudo, “a criar peças para quem pratica desporto por gosto e não por obrigação”, conclui.