Já abriu a Tasca Vasco, a irmã mais nova da família Cafeína

Tomou o lugar do Panca e está já a abrir caminho ao Cafeína Downtown, que deverá estrear-se até ao final do ano no antigo Café Progresso, no Porto. A família restaurativa de Vasco Mourão não pára de crescer.

Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido

Picadinho de carapau; cabeça de xara, feijão frade e maçã; meia desfeita de bacalhau com grão; camarão-tigre grelhado; costelinha de porco bísaro com batata frita; arroz de coentros; uma salada verde; mousse de chocolate com gelado de amendoim; tarte de maçã com gelado de canela.

Estamos quatro à mesa e Camilo Jaña só pergunta se comemos tudo. Comemos e aceitamos de bom grado que seja o chef chileno a escolher por nós: a carta é longa e tem várias propostas que nos agradam, a selecção adivinhava-se difícil. À nossa frente está Vasco Mourão e nas nossas costas uma equipa de sala e de cozinha em estado de prontidão: não deve ser fácil atender o gestor e o chef de um restaurante. “Podes trocar a música? Esta é chata”, pergunta Vasco a um dos funcionários, enquanto Camilo faz o pedido do que vamos provar na Tasca Vasco, a nova-velha morada restaurativa do grupo Cafeína na Baixa do Porto.

Neste número 61 da Rua de Sá de Noronha morava o Panca. O Panca, que “até teve muito sucesso”, garante Vasco Mourão, fechou essencialmente “por duas condicionantes”: “Era um restaurante muito de Verão, pela decoração e pela comida [muito baseada em ceviches].” E o seu “carácter étnico”, prossegue, “tornava-o menos abrangente”. Daí que o fresco e jovial Panca tenha dado lugar, a 12 de Abril, a esta Tasca descontraída, espécie de irmão mais novo – “mas maturado”, esclarece Camilo Jaña – da Casa Vasco, na Foz portuense.

PÚBLICO -
Nelson Garrido
PÚBLICO -
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido

O universo Cafeína, que no Verão passado foi comprado pelo grupo de José Avillez, conta com vários restaurantes no Porto: o veterano Cafeína (faz 25 anos em 2020 e a festa já está a ser pensada); o Portarossa; o Terra; e a Casa Vasco, todos na zona da Foz. “Até ao final deste ano”, explica Vasco Mourão, deverá abrir o Cafeína Downtown, que está a ser instalado no antigo Café Progresso, a dois passos da Rua de Sá de Noronha. E é neste contexto que surge a transformação do Panca na Tasca Vasco.

“Com o Cafeína Downtown aqui ao lado, estes dois restaurantes vão funcionar muito bem em termos complementares. Aliás, futuramente a cozinha vai ser comum”, diz o empresário, acrescentando que “faz muito mais sentido” trabalhar “em termos de núcleos”. “Tínhamos o núcleo Foz, agora passaremos a ter o núcleo Baixa. Avançar para a Tasca Vasco foi uma consequência do meu pensamento num formato mais burguês”, ri-se. “Mais beto”, corrige Camilo, que é o chef executivo de todos os restaurantes com o selo Cafeína.

À mesa vão chegando as entradas frias, para temperar o calor que envolveu o Porto na última semana: vem primeiro o picadinho de carapau, que Camilo vai servindo aos comensais. “Porque gostávamos muito do Panca, mantivemos na carta um ceviche dessa altura. E, na prática, este picadinho e a meia desfeita também são espécies de ceviches”, explica. O carapau tem, de facto, um sabor muito fresco e saboroso.

A Tasca Vasco, que na carta de “Comes” tem pratos como mão de vitela com grão – “um best seller”, garante Camilo –; moelas estufadas; polvo à lagareiro; bitoque com ovo a cavalo e molho de francesinha; peixinhos da horta; ou cuscos transmontanos com míscaros e boletus, abriu portas para, assumidamente, ser uma abordagem “mais portuguesa” no portefólio Cafeína. “O mercado mudou: os turistas, por exemplo, que são cada vez em maior número, procuram muito conhecer a gastronomia local”, refere Camilo. E o desafio, completa Vasco, é chamar cada vez mais portugueses para esta Tasca, que tem um slogan orelhudo: “Uma tasca com vida, uma cozinha atrevida”.

PÚBLICO -
Foto
Nelson Garrido

A louça que chega à mesa é inspirada em motivos tradicionais portugueses, muito Bordallo Pinheiro, e pintada à mão por artesãos. Os bancos “rabo-de-baleia” dispostos em algumas mesas são produzidos “num atelier parisiense onde são aplicadas técnicas originais de 1913”. De resto, a Tasca Vasco é feita da sala principal e do terraço interior, decorados com livros, plantas e alguns frascos de conserva prontos a ser servidos, e uma esplanada onde, em dias mais quentes, se sentam 12. 

Com estas e outras, já provámos a meia desfeita e a cabeça de xara e Camilo Jaña está agora a trinchar o camarão-tigre; as costelinhas estão deliciosas e as batatas fritas são irresistíveis. O marisco está no ponto, mas ainda há-de chegar o arroz de coentros – aprovadíssimo! E, no fim, a mousse de chocolate com gelado de amendoim rebenta com tudo.