Ingleses ainda rugiram mas acabaram espremidos

Rashford deu vantagem aos britânicos num erro de Matthijs de Ligt, mas o central redimiu-se e levou a decisão para prolongamento.

Foto
LUSA/JOSÉ COELHO

A selecção holandesa venceu esta quinta-feira, em Guimarães, a congénere de Inglaterra, por 3-1, resultado alcançado após prolongamento (1-1 no tempo regulamentar), impondo-se na segunda meia-final da Liga das Nações, pelo que defrontará Portugal, no domingo (19h45), no Dragão, na final da primeira edição da competição. 

Os ingleses adiantaram-se à passagem da primeira meia-hora de jogo, aproveitando um erro do central De Ligt: Marcus Rashford (32') marcou de penálti e inverteu a lógica que imperava, com os holandeses mais pressionantes, rápidos e objectivos. 

Os britânicos, com os (desgastados) sete finalistas da Champions no banco, tiveram a coragem de iniciar o encontro com uma equipa capitaneada por Sterling, que aos 24 anos cumpriu o 50.º encontro pela selecção, tornando-se no terceiro mais jovem a atingir a marca.

Já com Harry Kane a iniciar a segunda parte, por troca com o lesionado Rashford, a Inglaterra procurou chegar ao segundo golo para resolver a questão. Porém, o guardião Cillessen travou as intenções dos ingleses. Com efeito, acabou por ser De Ligt (73') a redimir-se do erro da primeira parte e a igualar com um golpe de cabeça, na sequência de um canto.

Gareth Southgate, que entretanto tinha lançado Jesse Lingard, viu o árbitro francês anular um golo a Lingard (83'), por fora-de-jogo assinalado com recurso ao VAR. O videoárbitro ainda analisou um possível penálti na área inglesa, mas o jogo foi mesmo para prolongamento. 

Com o cansaço acumulado, o central John Stones cometeu um erro ainda mais clamoroso do que o de De Ligt, condenando os “três leões” à discussão do terceiro e quarto lugares, sábado, com a Suíça. Depay roubou a bola a Stones, mas Pickford salvou o que parecia um golo feito. Só que o guarda-redes inglês ficou impotente perante a recarga de Promes, que rematou contra Walker, infeliz a introduzir a bola na própria baliza (97').

Em vantagem, e a precisar de assumir mais riscos, a Inglaterra acabou por sofrer novo golo, novamente numa má saída de bola. John Stones fez o primeiro passe entrar em Barkley, mas o médio deixou-se antecipar por Quincy Promes. A pressão alta holandesa voltava a dar frutos e o extremo do Sevilha acabava com as dúvidas, confirmando o encontro com Portugal, no domingo (19h45).