Em Ponte de Lima há 12 Jardins do Fim do Mundo

O Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima abre-se a passeios por jardins efémeros, vindos de várias partes do mundo, até finais de Outubro.

Fotogaleria
Jardim da Amizade (Macau, China) DR
Fotogaleria
Antiquum et Aeternum (Espanha) DR
Fotogaleria
Jardim Vertigem (ir)reversível (Portugal) DR
Fotogaleria
Jardim de Microclimas (Holanda) DR
Fotogaleria
Jardim Mirabilia (Itália) DR
Fotogaleria
Jardim Paraíso Esquecido (Áustria) DR
Fotogaleria
Jardim Astrolabium (Brasil) DR
Fotogaleria
Jardim Utopia, Distopia, Metamorfose (Alemanha) DR
Fotogaleria
Jardim de Ilusões (Portugal) DR
Fotogaleria
Jardim Sem Fim (Itália) DR
Fotogaleria
Jardim Fim do Mundo, Princípio de Tudo (Argentina) DR
Fotogaleria
Jardim Atrás da Reflexão (República Checa) DR

Jardins do Fim do Mundo é o tema da 15.ª edição do certame limiano dedicado aos jardins e que, desde que se instalou numa antiga quinta minhota, já atraiu mais de um milhão de visitantes. A arte de bem jardinar, com a criatividade como motor e a sustentabilidade em mente, é o foco do Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima. 

O convite é para percorrer os cantos e recantos dos 12 projectos efémeros que foram seleccionados por um painel de especialistas em arquitectura paisagista, jardinagem, espaços verdes, botânica, design e artes plásticas. Além de Portugal, chegam da Alemanha, Argentina, Áustria, Brasil, China, Espanha, Itália e República Checa para se juntarem ao mais votado pelo público na edição passada: o Jardim de Microclimas holandês.

PÚBLICO - Jardim de Ilusões
Jardim de Ilusões DR
PÚBLICO - Jardim Vertigem (ir)reversível
Jardim Vertigem (ir)reversível DR
Fotogaleria
DR

Por aqui, pode encontrar-se o “Jardim da Amizade”, criado pela Escola Portuguesa de Macau e que “reflecte um jardim rico em elementos da cultura oriental com apontamentos da cultura portuguesa”. O objectivo é mesmo “enaltecer as relações entre Portugal e China, reconhecendo o seu valor cultural e histórico”.

Ou o “Utopia, Metamorfose, Distopia, Utopia”, assinado pela arquitecta Janine Tüchsen e pela urbanista Anika Slawski, representando a Alemanha, e que conduz os visitantes por três espaços inspirados no título da obra. Do Brasil, chega “Astrolabium”, pelo arquitecto Fabio Azevedo da Silveira, e que se baseia precisamente numa estrutura inspirada na geometria do astrolábio. São três exemplos dos espaços por onde se pode passear.

“Comprometido com questões ambientais”, refere a organização, o festival “põe em marcha uma revolução silenciosa, sensibilizando a comunidade para a integração das artes em prol da sustentabilidade”. 

Além dos jardins-estrela do certame, estão também representados os Jardins Escolinhas, resultado do trabalho das escolas do concelho.