Soflusa sujeita a greve em véspera de Sto. António

Transportadora fluvial, que tem sido alvo de contestação por parte dos passageiros, pode ter nova paralisação a 12 de Junho

Foto
Nuno Ferreira Santos

Os trabalhadores decidiram avançar com um pré-aviso de greve na empresa Soflusa, responsável pela ligação fluvial entre Barreiro e Lisboa, para 12 de junho, exigindo obter “o mesmo tratamento” que a categoria dos mestres, disse hoje à Lusa fonte sindical. O dia previsto para a paralisação é véspera de Santo António, 13 de Junho, feriado municipal em Lisboa.

“O Sindicato da Mestrança e Marinhagem da Marinha Mercante, Energia e Fogueiros de Terra (Sitemaq) avançou com um pré-aviso de greve para o dia 12 de junho, de duas horas por turno. A nossa intenção é ter o mesmo tratamento que o poder político e o conselho de administração tiveram com uma categoria na Soflusa”, disse à agência Lusa Alexandre Delgado, do Sitemaq, afecto à UGT.

O sindicalista referiu que pretendem lutar por uma “harmonia salarial” na empresa, considerando que esta foi posta em causa com o aumento dado aos mestres.

Ainda no final da semana passada a Soflusa viu três greves - às horas extraordinárias, ao período da manhã e da tarde desta semana, e ao dia de Santo António – serem desconvocadas pelo Sindicato dos Transportes Fluviais, Costeiros e da Marinha Mercante (STFCMM).

O dia 31 de Maio, sexta-feira passada, foi o dia em que a insatisfação dos utentes que fazem a ligação Barreiro – Lisboa subiu de tom, com desacatos no terminal fluvial, como forma de protesto pelas supressões de embarcações naquele dia e durante o mês de Maio.

Para a Comissão de Utentes da Soflusa “os constrangimentos laborais na Soflusa têm um nome”: a “falta de, pelo menos, 30 trabalhadores nas áreas de navegação, mestres, maquinistas e marinheiros, na área administrativa e nas áreas comerciais e de apoio ao cliente”. Para a comissão, a situação é de especial gravidade no caso dos mestres que, em 2018, “se viram obrigados a fazer cerca de quatro mil horas extraordinárias”.

Sugerir correcção