Por que é que há doentes de Parkinson com problemas no andar?

Prémio João Lobo Antunes, no valor de 40 mil euros, é atribuído à médica interna Ana Raquel Barbosa, do Hospital de Egas Moniz, em Lisboa.

Foto
A doença de Parkinson é a segunda doença neurodegenerativa mais comum Rui Gaudêncio

Nas fases mais avançadas da doença de Parkinson, a estimulação cerebral profunda melhora a qualidade de vida dos doentes. Contudo, alguns que fazem esse tratamento acabam por ficar com o andar afectado. Ana Raquel Barbosa, médica interna, quer perceber quem são esses doentes, quais as suas características e como se poderá reverter as complicações na sua marcha. Com este projecto de investigação, a médica venceu o Prémio João Lobo Antunes da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, no valor de 40 mil euros. A cerimónia de entrega desta distinção é esta quarta-feira de manhã no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa.

Ana Raquel Barbosa é médica interna de neurologia no Hospital de Egas Moniz, em Lisboa, e a sua área específica é a das doenças de movimento. “Dentro das doenças de movimento, a doença de Parkinson é aquela em que temos mais doentes nas consultas”, diz a médica de 31 anos. Como tal, observou quais eram as dificuldades com que esses doentes se deparavam e como poderia intervir. “A investigação surge das necessidades que vão surgindo aos doentes”, salienta.

E que necessidades são essas? Nas fases avançadas da doença de Parkinson – a segunda doença neurodegenerativa mais comum, a seguir à Alzheimer –, a estimulação cerebral profunda é um tratamento eficaz para melhorar a qualidade de vida dos doentes. Para essa estimulação, através de uma cirurgia, são colocados eléctrodos em regiões profundas do cérebro dos doentes que estão ligados a uma espécie de bateria que está por baixo da pele, na região torácica. Essa bateria vai enviar energia para estimular o cérebro e controlar os sintomas da doença.

“No entanto, há um subgrupo de doentes que desenvolve algumas complicações na marcha”, refere Ana Raquel Barbosa. “Nesses doentes, a qualidade de vida piora bastante com a perturbação da marcha.” Os doentes ficam com os pés colados ao chão sem conseguir dar o próximo passo. Nalguns doentes isto pode acontecer esporadicamente ao longo do dia e noutros em toda a marcha.

PÚBLICO -
Foto
Ana Raquel Barbosa DR

Ana Raquel Barbosa quer então perceber se a forma como a estimulação é induzida pode ter influência na marcha, como as diferentes frequências em que é realizada. Quer saber ainda que doentes vão desenvolver essa perturbação, quais são as suas características e como pode ser revertida.

Para tal, juntamente com uma equipa do Hospital de Santa Maria e da Fundação Champalimaud (ambos em Lisboa), vai estudar doentes do Hospital de Santa Maria a partir de Janeiro de 2020. Este trabalho divide-se em dois estudos: um retrospectivo, em que se vão identificar cerca de 30 doentes que já têm essa perturbação e alterar os padrões da estimulação cerebral profunda; e outro prospectivo, em que vão seguir doentes que serão operados e identificar os que desenvolveram complicações na marcha.

Ao longo dos dois estudos, irão colocar-se nos doentes sensores de movimento – nomeadamente, sensores inerciais –, que permitem caracterizar e perceber quais são as alterações na marcha. Utilizar-se-á também a ressonância magnética para se saber quais são as alterações a nível das redes neuronais induzidas na estimulação cerebral. “Ao utilizarmos diferentes voltagens e frequências nos parâmetros de estimulação, vamos ver se conseguimos melhor a marcha dos doentes”, explica a médica.

Melhorar a qualidade de vida

O grande objectivo deste trabalho é então melhorar a qualidade de vida e independência dos doentes. “Além disso, pensamos que através das conclusões deste trabalho podemos tirar conclusões para outras alterações da marcha de outras doenças neurológicas”, realça Ana Raquel Barbosa.

Apesar de este trabalho já estar a ser planeado, a médica refere que o Prémio João Lobo Antunes – criado em homenagem ao neurocirurgião, que morreu em 2016, e destinado a médicos a fazer o internato em neurociências – facilitará a sua elaboração. “Além de ser um incentivo à investigação e melhorar a qualidade de vida dos doentes, torna tudo mais fácil”, assinala. 

A par da entrega deste prémio, também se realiza esta terça-feira no Pavilhão do Conhecimento a IV Conferência Santa Casa Neurociências com o tema “Um Olhar no Futuro – Longevidade e Doenças Neurodegenerativas”. Neste evento abordar-se-á a importância da humanização do acto médico, o impacto das novas tecnologias na melhoria da qualidade de vida ou a investigação dos cientistas já distinguidos com o Prémio Santa Casa Neurociências – Prémio Mantero Belard.