Mariléia dos Santos, artilheira brasileira, numa partida durante a época de proibição
Foto
Mariléia dos Santos, artilheira brasileira, numa partida durante a época de proibição Acervo Pessoal Michael Jackson

Este museu virtual recorda os anos em que as mulheres não podiam jogar futebol

Entre 1941 e 1979, as mulheres brasileiras estavam proibidas, por lei, de jogar futebol. Exposição virtual conta as histórias de resistência feminina contra a opressão das autoridades e detenções sumárias.

Quando falamos de bom futebol, o Brasil será, certamente, um dos primeiros países que nos assalta o pensamento. O desporto-rei é tido como algo sagrado para milhões de brasileiros, que assistiram de perto ao nascimento — e crescimento — de muitos grandes futebolistas. Mas, ao mesmo tempo que Pelé espalhava magia pelos “gramados”, as mulheres eram proibidas, por lei, de praticar futebol, por este ser um desporto considerado masculino. 

Uma restrição que se prolongou durante 38 anos (entre 1941 e 1979) e que a agência criativa AKQA — em parceria com o Museu do Futebol e a Google Arts & Culture — teve a ideia de relembrar como mote para o lançamento do Campeonato do Mundo de futebol feminino. Na última segunda-feira, 27 de Maio, foi inaugurado um museu virtual com o nome Museu do Impedimento, que tem como objectivo revelar as histórias de coragem e resiliência daquelas mulheres que, apesar da opressão das autoridades, continuaram a lutar pelo direito de praticar o “jogo bonito”. 

“Fizemos o projecto com o intuito de dar um apoio ao futebol feminino. Acho que, no Brasil, o futebol é uma parte tão forte da cultura e constatámos que havia uma enorme diferença entre o futebol masculino e o feminino, em termos de visibilidade e apoio”, começa por dizer ao P3 Diego Machado, um dos directores criativos da AKQA. Os criadores têm a intenção de recolher, até 23 de Junho, o máximo de testemunhos possíveis para irem acrescentando ao site do museu. 

O jovem brasileiro começou a pesquisar sobre o futebol feminino no país, numa tentativa de traçar um perfil histórico do desporto, mas estranhou o facto de não conseguir encontrar online qualquer informação sobre quatro décadas do futebol feminino. “Existia um vazio na história, páginas em branco. Aí, começámos a fazer uma investigação para percebermos o dia-a-dia destas mulheres quando o futebol foi proibido.”

“Nos dias de hoje, parece ser absurdo”

A partir de 1941 — quando o país era dirigido por Getúlio Vargas —, as mulheres estavam proibidas, por decreto de lei, de praticarem desportos “incompatíveis com as condições de sua natureza”. Ou seja: os desportos considerados masculinos não poderiam ser praticados pelo sexo oposto. O futebol — de longe a modalidade mais popular no Brasil — ficou, deste modo, reservado aos homens.

No papel, poderá ter sido assim. Mas, longe dos holofotes mediáticos, várias mulheres decidiram não compactuar com esta lei e, semana após semana, desafiavam as autoridades. São estas histórias de resistência que Diego, através deste projecto, quer trazer a público. “O que mais me chocou foi perceber que havia uma lei, algo que, nos dias de hoje, parece ser absurdo. Quando vemos as histórias, o que mais me surpreende é a coragem e a perseverança das mulheres que eram perseguidas por jogar futebol. Parecia que estavam a roubar, ou alguma coisa do género. Existia um ambiente muito opressor, mas, ainda assim, elas estavam lá, com coragem e perseverança.”

PÚBLICO -
Foto
Jornal brasileiro escreve sobre o início da proibição sobre o futebol feminino Futebol feminino / Museu do futebol

O museu começará como uma experiência digital, mas o criativo não põe de lado uma eventual transição para um espaço físico, caso a iniciativa seja bem-sucedida. Qualquer pessoa pode enviar fotografias e vídeos destes 40 anos de luta. Serão também incluídas nesta exposição histórias vindas da França e da Alemanha.

“Ela foi presa 15 vezes, não desistia de ser árbitra”

Uma das histórias que já se encontra presente nesta exposição virtual é a de Léa Campo, a primeira árbitra de futebol profissional do mundo. A mulher de 74 anos formou-se em jornalismo, foi relações públicas do Cruzeiro, clube de futebol sediado em Minas Gerais, e decidiu tornar-se árbitra em 1967, com 22 anos.

Apesar da proibição, Léa Campo organizava jogos com outras mulheres que partilhavam da mesma paixão. Por vezes, esses encontros eram interrompidos pela polícia. Quando tal sucedia, deixava-se ficar para trás, protegendo sempre as jogadoras. Somou 15 detenções, tantas que as próprias autoridades já sabiam de cor a história dela.

O português Hugo Veiga, outro dos directores criativos da AKQA em São Paulo — que já tinha falado com o  P3 em 2013 —, elogia a determinação de Léa, que, lamenta, ainda é desconhecida do grande público. “Ela ainda não tem uma exposição grande porque as pessoas não conhecem estas histórias. Foi presa 15 vezes, não desistia de ser árbitra. Não se importava [de ser detida]. Quando chegava a polícia, dizia às amigas para fugir e dava a cara. Foi uma lutadora e tornou-se um símbolo de resistência no panorama do futebol feminino”, explica Hugo Veiga, em conversa com o P3.  

PÚBLICO -
Foto
Árbitra foi detida por 15 vezes e tornou-se a primeira juíza do futebol profissional Acervo pessoal Léa Campos

O português admite que, antes de se envolver na concepção desta exposição, não fazia ideia de que as mulheres tinham sido proibidas de jogar futebol no Brasil, mas garante que esse desconhecimento é generalizado: “Acontece, principalmente, porque o futebol feminino nunca ganhou a atenção que merece. Temos uma Marta, que foi eleita seis vezes a melhor jogadora do mundo, mais do que Cristiano Ronaldo e Messi. Ela é que deveria ser considerada a melhor de todos os tempos no Brasil, não Pelé.”

Hugo Veiga acredita que o futebol reflecte uma desigualdade que demora a ser revertida. “Em todos os desportos, a versão feminina é menosprezada. Quando começas a ver jogos de futebol feminino, vês cada jogada incrível… Não ficam atrás dos homens em espectáculo. É algo que vai demorar tempo a mudar, uma questão de mentalidade. Vês que isso está presente em outras partes da sociedade: tens a desigualdade de salários e oportunidades, por exemplo. O desporto acaba por ser mais uma faceta”, finaliza Hugo Veiga.

Esta iniciativa é, também, uma espécie de introdução para o Campeonato do Mundo de futebol feminino: a oitava edição da competição será disputada em França, entre os dias 7 de Junho e 7 de Julho. Portugal não conseguiu garantir o apuramento para a fase final, mas será representado pela árbitra Sandra Bastos e por Tiago Martins — que assumirá as funções de videoárbitro.