Fotografia

Na Grécia, foram “pescadas” duas toneladas de rede de plástico

Areti Kominou/Ghost Fishing Greece/Reuters
Fotogaleria
Areti Kominou/Ghost Fishing Greece/Reuters

Mergulhadores gregos e alemães "pescaram" duas toneladas de rede de plástico nas profundezas do Mar Mediterrâneo, junto à vila de Stratoni, no Norte da Grécia. Numa operação que aconteceu em meados de Maio, os mergulhadores utilizaram balões agarrados às redes para as puxar até à superfície, onde foram recolhidas — minimizando assim as ameaças à vida marinha naquele local, que é habitat para uma espécie rara de cavalos-marinhos.

A Healthy Seas, organização que trabalha no Adriático e Mediterrâneo, já removeu, desde 2013, 453 toneladas de rede do oceano e estima que, por ano, sejam deixadas 640 toneladas de rede de pesca nos mares de todo o mundo. Estas redes são praticamente imperceptíveis para os animais que, por não se aperceberem do objecto estranho, acabam por ficar emaranhados. Citada pela Reuters, a Healthy Seas referiu que as duas toneladas agora apanhadas deverão ser transformadas em fio, a ser utilizado na produção de meias, roupa desportiva e tapetes.

Redes, microplásticos que parecem alimentos, sacos que asfixiam ou que acabam por ser engolidos: o plástico que cai no oceano tortura os animais marinhos. E nunca é demais lembrar: se as taxas de poluição se mantiverem, em 2050 haverá mais plástico do que peixes no mar.

Areti Kominou/Ghost Fishing Greece/Reuters
Areti Kominou/Ghost Fishing Greece/Reuters
Areti Kominou/Ghost Fishing Greece/Reuters
Areti Kominou/Ghost Fishing Greece/Reuters
Areti Kominou/Ghost Fishing Greece/Reuters
Areti Kominou/Ghost Fishing Greece/Reuters
Areti Kominou/Ghost Fishing Greece/Reuters
Areti Kominou/Ghost Fishing Greece/Reuters
Areti Kominou/Ghost Fishing Greece/Reuters
Sugerir correcção