Emigração portuguesa para a Alemanha regista valor mais baixo desde 2011

Segundo o Observatório da Emigração, a Alemanha registou, em 2018, um total de 1.199.115 entradas de estrangeiros no país, sendo 0,6% portugueses.

Berlim
Foto
Berlim Nelson Garrido/arquivo

O número de portugueses que emigraram para a Alemanha em 2018 foi de 7200, valor que confirma a tendência de decréscimo dos últimos anos, “comum à maior parte dos destinos da emigração portuguesa”, segundo o Observatório da Emigração.

O documento do observatório, que cita dados do Statistisches Bundesamt Deutschland, o organismo público de estatísticas, revela que a Alemanha registou, em 2018, um total de 1.199.115 entradas de estrangeiros no país, sendo 0,6% portugueses.

Alfredo Stoffel, conselheiro das comunidades portuguesas, salienta que a Alemanha “continua a ser um país por excelência para determinadas profissões”, notando-se existir, em Berlim, a capital, “muita gente nova a trabalhar em cargos muito qualificados.”

Ainda assim, Alfredo Stoffel reconhece que a tendência de entrada de portugueses no país tem vindo a decrescer. “As pessoas mais qualificadas vêm até cá para sondar o mercado, se não se encaixarem ou se não encontrarem o que procuram, voltam para Portugal”, reconhece, acrescentando que o clima de “euforia” que se tem vivido também ajuda a explicar os números.

“A economia portuguesa soube dar um incentivo às pessoas. Deixámos de ser pessimistas. Acredito que a população tenha agora mais confiança no futuro”, realça o conselheiro, assumindo, contudo, dificuldade de interpretação destes dados estatísticos.

De acordo com o documento avançado pelo Observatório da Emigração, no caso alemão, é “impossível, em rigor, especificar as variações ocorridas entre 2015 e 2018.”

“Segundo o próprio Registo Central de Estrangeiros alemão, das 17.750 entradas registadas em 2017 [de portugueses], apenas 7095 aconteceram naquele ano. As restantes 10.655 entradas verificaram-se em anos anteriores, mas só foram registadas em 2017. Os valores deste indicador para os anos de 2015 e 2016 estão pois subcontabilizados, os de 2017 inflacionados e não são reais, nem o acentuado crescimento registado entre 2016 e 2017, nem a redução abrupta entre 2017 e 2018”, explica o relatório.

O presidente do Grupo de Reflexão e Intervenção da Diáspora Portuguesa (GRI-DPA), Manuel Campos, português reformado a viver há mais de 45 anos no sul da Alemanha, reconhece que os números baixaram, a tendência é decrescente, mas “não dá para interpretar seriamente estas estatísticas”.

Manuel Campos considera que o contexto político pode ajudar a perceber os números. “Recordo-me que tivemos um Governo de 2011 a 2015 com o PSD em que houve, não só tentativas e desejos e realização de saídas, como mesmo conselhos do próprio Governo nesse sentido. Desde 2015 e até agora temos um Governo PS que, não só aconselhou a não sair, como a voltar. Temos programas para retorno, medidas específicas para quem quiser voltar”, realça.

Segundo Manuel Campos, “Portugal precisa de pessoas qualificadas para desenvolver a indústria, a economia”. “Tenho dificuldade em interpretar as estatísticas, porque temos uma livre circulação, isto é, as pessoas podem sair, procurar, sem se registarem. Há certamente pessoas que circulam livremente, à procura de emprego, mas se não se registarem, não entram para as estatísticas”, esclarece o presidente do GRI-DPA.

“Nota-se que há uma tendência decrescente, porque só aqueles que têm altas qualificações profissionais é que poderão ter chances numa economia alemã, que é mais desenvolvida do que a nossa. Outros que vieram à procura, e que não conseguiram entrar, provavelmente voltam para Portugal para tentar estabilizar-se no país. A indústria portuguesa está a precisar dessa mão-de-obra”, adianta Manuel Campos.