EMEL espera ter “mais bicicletas do que nunca” nas ruas de Lisboa dentro de um mês

Está a ser preparado o lançamento de um novo concurso para escolher o fabricante que terá de pôr nas ruas mais 3000 bicicletas. Enquanto isso não acontece, é a Siemens quem vai assegurar esta “solução intermédia” para tentar cumprir as metas estabelecidas para a primeira fase do sistema público de bicicletas partilhadas de Lisboa.

Foto
SEBASTIAO ALMEIDA

A EMEL quer ter daqui a quatro semanas, “no máximo”, mais bicicletas no sistema das Gira do que alguma vez teve até aqui. A garantia foi deixada pelo vereador da Mobilidade da câmara de Lisboa, Miguel Gaspar, que reconheceu que o número de bicicletas partilhadas disponíveis nas docas espalhadas pela cidade “estão num nível demasiado baixo”. 

Falando na sessão desta terça-feira da Assembleia Municipal de Lisboa, em resposta a uma questão do deputado do Bloco de Esquerda, Ricardo Moreira, o vereador disse que o compromisso firmado com a nova empresa fabricante das bicicletas permitirá colmatar a falta de bicicletas nas estações e abrir, inclusive, “algumas das estações que nunca chegaram a abrir”. 

Perante a escassez de bicicletas nas docas já em funcionamento — algumas instaladas mas não abertas —, as críticas ao sistema das Gira foram-se adensando nos últimos meses. Face a esta situação, a EMEL rescindiu mesmo, em Abril, o contrato com a empresa fabricante das bicicletas, a Órbita, alegando “sucessivos incumprimentos contratuais” por parte da empresa. E que, desde Dezembro de 2017, data do primeiro problema, aplicou “penalidades contratuais” no valor de 5,3 milhões de euros. “Desde Maio de 2018, as falhas da Órbita foram-se somando, tendo nos últimos oito meses a empresa revelado total incapacidade para prestar o serviço contratualizado”, acusou a EMEL.

Por esta altura, a primeira fase da rede Gira já deveria estar concluída, com a instalação de 140 docas e 1400 bicicletas. No entanto, só 94 estações estão instaladas (nem todas em funcionamento) e apenas 400 bicicletas estão disponíveis. 

Até à conclusão do novo concurso e da assinatura do contrato, a EMEL vai fazer um acordo com a Siemens para a manutenção do sistema. “Este é o plano de contingência que está em cima da mesa. Uma solução intermédia”, diz Miguel Gaspar. A nova fase da Gira pretende dotar a rede com mais 3000 bicicletas. “Talvez mais”, aponta o vereador, uma vez que esta fase de expansão da rede deverá chegar a concelhos vizinhos que manifestaram o interesse em receber este serviço. O novo concurso deverá implicar um investimento entre os 40 e os 50 milhões de euros e as primeiras bicicletas, grande parte eléctricas, deverão chegar à rua ainda no final do ano, o mais tardar no inicio do próximo, estimou Miguel Gaspar. 

Projecto do Martim Moniz apreciado pela DGPC

As obras na Praça do Martim Moniz foram também levantadas na sessão da Assembleia Municipal pela deputada Isabel Pires que questionou a autarquia sobre a retirada dos comerciantes da praça a pretexto de obras que estão, neste momento, paradas. Na resposta, o vereador Manuel Salgado confirmou que a empreitada para a instalação de infra-estruturas no subsolo — para a qual há um projecto aprovado pela câmara — está parada, sem contudo adiantar os motivos da paragem dos trabalhos. Quanto ao projecto que pretende a instalação de contentores no centro da praça, este ainda não está definitivamente aprovado, sublinhou o vereador, adiantando que o processo está, por esta esta altura, a ser apreciado pela Direcção-Geral do Património Cultural.