Festival A Porta fecha programação para Leiria com mini-festival em chalé do século XIX

Entre 14 e 23 de Junho, o festival apresenta nomes como Manel Cruz, Mdou Moctar e Bruno Pernadas. A programação que inclui espaço para as artes plásticas e para workshops com, por exemplo, o escritor Gonçalo M. Tavares

Os locais First Breath After Coma serão uma das bandas presentes no festival
Foto
Os locais First Breath After Coma serão uma das bandas presentes no festival DR

O festival A Porta vai transformar um chalé de Leiria, construído no século XIX, no cenário de um mini-festival que mostrará, no dia 20 de Junho, muitos dos novos projectos musicais que nasceram na cidade recentemente.

A novidade divulgada esta terça-feira fecha o programa do festival que acontece entre 14 e 23 de Junho. Segundo informação divulgada pela organização, a intenção é transformar a Villa Portela, no centro de Leiria, em Villa Omnichord, numa “carta branca” dada à editora Omnichord Records, que nos últimos anos lançou bandas como First Breath After Coma, Surma, Whales ou Nice Weather For Ducks.

Durante a tarde e noite do dia 20, entre outros nomes da editora, vão actuar no chalé os Whales, Jerónimo, Few Fingers, Labaq, Obaa Sima e ainda um projecto especial criado por Surma, Joana Guerra e João Hasselberg.

Também esta terça-feira, a organização de A Porta divulgou novos nomes no cartaz musical: João Pais Filipe, Solar Corona, Lost Lake, Me and My Brain e Clima, além de dj sets de Fitz, CUT!S, Eduardo Morais, Peregrino e Themoteo Suspiro.

Anteriormente, o festival anunciara concertos de Manel Cruz, Jonathan Bree, Mdou Moctar, First Breath After Coma, Bruno Pernadas, JP Simões, K-X-P, Fado Bicha, Ricardo Martins: Silvar, Meneo ou April Marmara. Ao todo, serão cerca de 40 momentos musicais ao longo de dez dias.

A programação integra também diversas propostas multidisciplinares de cariz artístico e social, que vão desde oficinas, exposições, debates, jantares temáticos e actividades para famílias, que se espalham por lojas e outros espaços do centro da cidade e rio Lis.

Um dos destaques é a Casa Plástica, exposição colectiva a instalar no antigo edifício EDP de Leiria, com curadoria de João Pedro Fonseca e Lara Portela, intitulada “Nada muda de forma como as nuvens, a não ser os rochedos”. A exposição reúne trabalhos dos artistas Alexandra Dias Ferreira, Ana Battaglia Abreu, Daniel Blaufuks, Daniela Pinheiro, Darr Tah Lei, Gil Ferrão, Inês Serpente, Joana Marcelino, Joana Patrão, Leonardo Rito & Bruno Gaspar, Mariana Malheiro, Micael Ferreira, PIZZ BUIN, Raquel Nogueira, Susana Soares Pinto, Telmo Ribeiro, Telmo Silva, Teresa Gameiro e Vera Gomes.

Entre as performances, concertos e workshops, destaque para o que será orientado pelo escritor Gonçalo M. Tavares.