PAN: o efeito do clima na surpresa da noite

As greves climáticas das sextas-feiras já tiveram um efeito político claro: em Portugal, o partido que melhor incorporou os valores que levam os mais jovens às ruas foi a surpresa da noite eleitoral.

Fotogaleria
Esta noite houve festa no PAN NUNO FERREIRA SANTOS
Raça do cão
Fotogaleria
Esta noite houve festa no PAN NUNO FERREIRA SANTOS
Cão
Fotogaleria
Esta noite houve festa no PAN NUNO FERREIRA SANTOS
Cão
Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS
Cão
Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS

É a surpresa desta noite eleitoral, tal como foi em 2015, nas legislativas. Neste domingo, o PAN conseguiu eleger o seu primeiro deputado ao Parlamento Europeu e tudo indica que não é um epifenómeno, como foi o MPT há cinco anos. Ao contrário deste, o PAN começou por garantir um lugar na Assembleia da República e, nestes quase quatro anos, a voz de André Silva foi-se impondo como uma forma diferente de fazer política. Agora, esse trabalho é coroado com a afirmação internacional de um partido que vai ser o único, oriundo de Portugal, a sentar-se no grupo dos Verdes europeus.

A sua força resulta exactamente das suas bandeiras. O PAN foi o partido que melhor incorporou os valores das gerações mais jovens, em particular daquela imensa multidão que, por todo o país, desde 15 de Março, tem faltado às aulas e saído às ruas para defender o planeta. O efeito das greves climáticas neste resultado parece evidente.

O PAN não só se juntou às greves climáticas como estabeleceu como prioridade a defesa dos valores ambientais. Poluição, transição energética, protecção ambiental, descarbonização e fim do nuclear, novos empregos 100% verdes, mobilidade responsável, afectação dos fundos comunitários à agricultura biológica e combate ao tráfico de animais e de marfim são nove das dez prioridades que definiram claramente. E a décima são os direitos humanos, com foco no acolhimento dos refugiados. Diferente, muito diferente dos partidos tradicionais.

Na sondagem da Universidade Católica para o PÚBLICO e a RTP divulgada na segunda-feira, era clara a afirmação dos mais jovens dos jovens em ir votar: 49% dos inquiridos com menos de 24 anos garantiam que iam às urnas (contra 40% da geração seguinte, entre os 25 e os 34 anos) e 18% afirmavam a sua intenção de votar noutros partidos que não os cinco maiores. O estudo de opinião não permitia perceber se o partido preferido era o PAN, pois só eram questionados sobre os cinco principais partidos. Já na segunda parte do estudo, relativo às legislativas, se percebia que o PAN estava consolidado nos 4% das intenções de voto em todas as faixas etárias até aos 54 anos, valor reforçado entre os 25 e os 34 anos, em que atingia os 6%.

Mal foram conhecidas as primeiras projecções a partir de sondagens à boca das urnas, com a eleição quase certa de, pelo menos, um eurodeputado, os líderes do PAN congratulavam-se. “Isso significa que os portugueses se revêem na nossa forma de fazer política, e que é diferente da dos partidos tradicionais, e também o descontentamento dos eleitores com essas forças políticas e mesmo com as famílias políticas europeias”, afirmou Inês Sousa aos jornalistas. A dirigente sublinhou que a diferença do PAN é ser um partido de causas, “por uma sociedade mais humana, mais justa e mais igualitária”, que “não se identifica com a esquerda ou a direita” tradicionais. “Estamos preparados para assumir mais responsabilidades e levar este ideário à Europa”, frisou.