Grécia: Tsipras anuncia eleições antecipadas após derrota

Primeiro-ministro diz que os resultados não foram os que esperava, antecipando uma votação que deveria decorrer em Outubro.

Foto

A Grécia foi o primeiro país em que as eleições europeias tiveram consequências na política nacional – não demorou muito até o primeiro-ministro de esquerda, Alexis Tsipras, reconhecer a derrota e anunciar eleições antecipadas. “Os resultados não foram os que esperávamos”, justificou.

Os eleitores não mostraram grande entusiasmo pelas eleições, onde os debates se centraram em temas de política nacional – a abstenção terá sido de 40-45% num país em que é obrigatório votar. A maioria dos que votaram, fizeram-no primeiro no partido de centro-direita Nova Democracia, de Kyriakos Mitsotakis – segundo a mais recente projecção do Ministério do Interior, com 32%. O Syriza, de Tsipras, ter-se-á ficado pelos 24%. A queda foi maior do que o que previam as sondagens.

Era esperada a derrota do Syriza, que reverteu a maior parte das suas promessas-chave (e até um referendo), e tomou a muito pouco popular decisão de chegar a um acordo sobre o nome da Macedónia (visto por muitos gregos como uma cedência à União Europeia, aos Estados Unidos, e uma decisão “anti-patriótica”).

Mas, até agora, o primeiro-ministro não tinha dado qualquer sinal de estar a considerar convocar eleições antecipadas – ainda na noite deste domingo o partido negava que essa fosse uma hipótese em cima da mesa, em resposta a uma exortação do líder da Nova Democracia. 

Tsipras tinha a ambição de fazer um mandato inteiro, e falta pouco para completar o que seria uma legislatura completa, em Outubro. Apesar de o país continuar numa situação económica e social difícil, o político tem sido elogiado pelos progressos no palco europeu.

O partido socialista PASOK deverá obter entre 7% a 9% segundo as projecções. De seguida, surge o partido neonazi Aurora Dourada e o partido comunista ortodoxo KKE, que devem obter cada um entre 5% e 7%.

O partido nacionalista Solução Grega (que parece estar a tomar o lugar político dos Gregos Independentes, parceiro de coligação de Tsipras até sair da Governo por discordar do acordo sobre a Macedónia), e o partido DiEM25 (do ex-ministro das Finanças Yannis Varoufakis), deverão ambos superar a barreira dos 3% e entrar no Parlamento Europeu. O próprio Varoufakis, no entanto, concorreu como cabeça de lista do partido na Alemanha, onde não parecia, segundo as sondagens à boca das urnas, ter conseguido ser eleito.

No dia das europeias, a Grécia votou ainda em eleições autárquicas, e Kostas Bakoyiannis – sobrinho do líder da Nova Democracia – estava na liderança na corrida para a presidência da câmara de Atenas, com boas hipóteses de vencer na segunda volta, que se realiza na próxima semana.