Por cada mulher que consome heroína há 22,5 homens, mas elas são mais referenciadas para tratamento

Eles chegam ao tratamento maioritariamente mandados pelos tribunais, depois de terem tido problemas com a polícia, enquanto elas vão referenciadas por médicos e assistentes sociais. Eis os resultados de uma análise de género aos indicadores do consumo de drogas em Portugal.

Foto
Eles chegam ao tratamento maioritariamente mandados pelos tribunais Rui Gaudencio

Os homens portugueses consomem mais substâncias ilícitas do que as mulheres. No tocante à heroína, a diferença chega a ser de 22,5 homens por cada mulher. Mas, proporcionalmente, elas têm maior probabilidade de contraírem infecção por VIH associada ao consumo endovenoso e o risco de morrerem por complicações associadas ao consumo também é maior, segundo as autoras do estudo Padrões de Consumo e Problemas Ligados ao Uso de Drogas – Uma Análise em função do Género, divulgado pelo Serviço de Intervenção nos Comportamentos Adictivos e nas Dependências (SICAD).