Eleições europeias: jornalistas apelam ao voto

Vinte e oito jornalistas, tantos quanto os países membros da União Europeia, reuniram-se para apelaram ao voto nas eleições europeias deste domingo. A campanha é da autoria do Sindicato dos Jornalistas, e faz parte do projecto Uma Imprensa livre, uma Europa democrática, que, entre Janeiro e Maio, de 2019 promoveu uma série de iniciativas para fomentar o debate sobre as Eleições Europeias.

“Acreditamos que o jornalismo se deve envolver, quando estão questões cívicas em causa”, explicou à Lusa a presidente do sindicato, Sofia Branco. Os jornalistas, que integram órgãos de comunicação social nacionais, locais e também freelancers, participaram em vídeos nos quais apontam os motivos que os vão levar a votar nas eleições europeias.

“São umas eleições importantíssimas. Todos os jornalistas sabem isso porque lidam com variadíssimas questões, que quer direta ou indiretamente reportam à União Europeia (UE). Está muito mais presente nas nossas vidas do que as pessoas pensam”, esclareceu, acrescentando, contudo, que os jornalistas deviam “trabalhar mais no sentido de as pessoas perceberem isso, dando-lhes mais informação [sobre a importância da UE] de forma mais simples, para perceberem o que está, de facto, em causa”.

A sindicalista sublinhou que a iniciativa foi criada com o objectivo de os jornalistas “darem a cara” e foram escolhidos 28 para coincidir com o número de “estados membros da União Europeia”, incluindo o Reino Unido (que ainda não efetivou a saída).

Sugerir correcção