António Costa na arruada final: “A minha campanha faz-se para o PS”

Líder do PS entende que as declarações de Rui Rio sobre “roda dos enjeitados” são de “mau gosto”. Na arruada em Lisboa, Costa levantou Pedro Marques em ombros.

Fotogaleria
António costa durante a arruada LUSA/MIGUEL A. LOPES
partido Socialista
Fotogaleria
Pedro Marques no meio de confetis LUSA/MIGUEL A. LOPES

O secretário-geral do PS, António Costa, comentou nesta sexta-feira a estratégia do PS na recta final da campanha, em que as críticas aos parceiros de esquerda se intensificaram, e defendeu que não há novidade nenhuma para ninguém. “Se há matéria que distingue o PS dos demais partidos à esquerda é temática europeia”, disse, lembrando que essas diferenças não “comprometeram” acordos a nível nacional. E acrescentou: “A minha campanha faz-se para o PS.” 

A seguir ao almoço que juntou socialistas na cervejaria Trindade e que antecedeu a arruada no Chiado, António Costa lembrou que as diferenças em matérias europeias entre os três partidos da “geringonça” não comprometeram a possibilidade de construir a solução governativa que dura há quase quatro anos e que teve bons resultados. Apesar de refrear os avisos à esquerda, lembrou que os três partidos têm “três visões diferentes” sobre Europa, mas que isso “não comprometeu nem a possibilidade de construirmos esta solução nem dela produzir bons resultados”.

“Agora, é preciso que o PS consiga bons resultados para podermos ter a ambição de avançar com o rigor necessário para podermos dizer aos portugueses que tudo o que fizemos é irreversível, que não há riscos de voltarmos para trás”, referiu. No último dia da campanha, Costa não esqueceu o seu antecessor. “Mesmo que Pedro Passos Coelho regresse à campanha, não regressará ao Governo. Não vamos voltar à política de retrovisor nem de marcha atrás. Esse é o caminho que revertemos e que não queremos repetir.”

Pouco tempo antes, Costa tinha ouvido de Ferro Rodrigues o desejo de que destas eleições saísse um “grande resultado da esquerda” para que haja um “reforço” da experiência governativa em Portugal e assim esta possa continuar. Questionado pelos jornalistas sobre as palavras de Ferro Rodrigues, o secretário-geral do PS não mencionou a sua estratégia para depois das legislativas.

Mas falou no entanto da interpretação que tem sido feita de que houve uma contradição entre o que defende para a Europa e o que defende Pedro Nuno Santos, ministro das Infra-estruturas e Habitação e futuro candidato à liderança do PS. “Não vi nenhum desentendimento. Somos todos socialistas e sociais-democratas e queremos todos construir uma grande frente progressista” para derrotar a extrema-direita, disse”.

Durante a arruada, questionado pelos jornalistas sobre as críticas de Rui Rio, que na quinta-feira acusou de tentar deitar PCP e BE para a “roda dos enjeitados”, António Costa classificou as críticas de “mau gosto”, o que, segundo Costa, “infelizmente é uma nova característica” de Rio. 

Para encerrar esta campanha, os socialistas fizeram a tradicional descida do Chiado com o candidato às europeias, Pedro Marques, a ser levantado em ombros, também por António Costa, perto do arco da Rua Augusta.