Terreno onde cresceu o bairro ilegal em Sacavém avaliado em mais de 85 mil euros

Destino das instalações adiado ao longo dos anos porque autarquia não tinha como dar habitações às pessoas. Empordef diz que não quis desalojar as pessoas.

Fotogaleria
Andreia Carvalho
Fotogaleria
Andreia Carvalho
Fotogaleria
Andreia Carvalho
Fotogaleria
Andreia Carvalho

O terreno onde há mais de dez anos nasceu um bairro de barracas que aproveitou as antigas instalações do paiol desactivado do Exército, em Sacavém, mesmo junto à Quinta do Mocho, pertence à Empresa Portuguesa de Defesa (Empordef). De acordo a Empordef, que é tutelada pelo Ministério da Defesa, “o terreno, dada a sua antiguidade, ainda está nas contas da empresa por um valor residual: 85.753,01 euros, que é o valor patrimonial e não o valor de mercado”.