Joana Ribeiro e Ana Padrão na série de Stephen King para a Amazon

O programa Passaporte apresenta actores portugueses a directores de casting estrangeiros. Já pôs Albano Jerónimo em Vikings e Lídia Franco a filmar com Michael Bay, agora põe Portugal na série The Dark Tower. “É um formato fabuloso”, elogia Avy Kaufman, que lançou a carreira de Leonardo DiCaprio.

,Jaime Lannister
Foto
A actriz Joana Ribeiro terá um lugar na nova série da Amazon baseada em Stephen King André Kosters/Lusa

Para que serve o programa Passaporte? Para colocar actores portugueses em projectos internacionais de televisão e cinema. O caso mais recente é o das actrizes Joana Ribeiro e Ana Padrão, recrutadas pela directora de casting britânica Priscilla John, como disse a própria ao PÚBLICO,​ para a série da Amazon The Dark Tower, uma adaptação da saga que Stephen King desdobrou em oito livros. 

Desde 2016, o Passaporte promove a internacionalização de actores nacionais através de workshops, conferências e encontros com directores de casting de vários países estrangeiros. Esta iniciativa da Academia Portuguesa de Cinema que tem como mentora a directora de casting Patrícia Vasconcelos já colocou Albano Jerónimo e Ivo Alexandre na série de sucesso VikingsLídia Franco em 6 Underground, o novo filme de Michael Bay para a Netflix – “Diz ao Michael Bay que a Priscilla John diz que ela é a Judi Dench de Portugal”, soprou a directora de casting britânica à equipa do realizador de Transformers – e nove actores portugueses no filme Fátima, com Harvey Keitel e Sónia Braga. 

PÚBLICO -
Foto
Priscilla John (à direita) @tellers.pt

Há uma semana, o programa voltou a reunir actores nacionais a directores de casting como Avy Kaufman, que lançou a carreira de Leonardo DiCaprio, ou Frank Moiselle, que encontrou em Portugal aquilo de que andava à procura para Vikings. A mais recente novidade fé a escolha de duas actrizes, por Priscilla John, para a série Amazon que vai ser filmada na Croácia; tinha uma delas, Joana Ribeiro, debaixo de olho há já três anos.

PÚBLICO -
Foto
Ricardo Pereira à conversa com alguns directores de casting @tellers.pt

O PÚBLICO encontrou a influente profissional britânica, que escolheu actores para Capitão América, Mamma Mia! ou Um Peixe Chamado Wanda, num hotel do centro de Lisboa, acabada de chegar da Croácia. “Coloquei Joana Ribeiro num papel principal na nova série da Amazon, uma grande produção”, conta. “Conheci-a aqui há três anos e estava à espera. Do papel e do projecto certo.” Para já, a actriz filmará o episódio-piloto de The Dark Tower, em que será Susan Delgado, a namorada do protagonista Roland Deschain (que a imprensa americana estima vir a caber a Sam Strike). A sua tia será interpretada por Ana Padrão, acrescenta Priscilla John, que deu a Chiwetel Ejiofor o seu primeiro papel no cinema em Amistad (1997), de Steven Spielberg.

PÚBLICO -
Foto
A actriz Maria João Leite @tellers.pt

O espírito destes encontros em que um actor se senta à mesa com dois ou três directores de casting estrangeiros é resumido por um dos dez intérpretes seleccionados para a edição 2019 do Passaporte, a actriz Mafalda Lencastre: “Já nos viram representar. Agora querem conhecer a pessoa.” Rita Martins acrescenta: “Também queremos dar um pouco de nós e vender o nosso trabalho. Pedir dicas, o que podemos mudar, o que devemos fazer.”

Num dia, os intérpretes mostram os seus monólogos; no dia seguinte, estão à conversa com gigantes do sector. Estes indicam os participantes que estão interessados em conhecer, ou pedem para rever outros que anotaram de edições anteriores do Passaporte – como Ricardo Pereira, Maria João Bastos ou Diogo Morgado, no caso da edição deste ano. 

PÚBLICO -
Foto
Avy Kaufman DR

Priscilla John senta-se na ponta dos sofás de veludo. “O Passaporte tem sido uma oportunidade incrível para mim de conhecer actores fantásticos. A Amazon TV é muito importante, é como a Netflix, e aquelas pessoas não estariam a ver imensos filmes portugueses em busca de uma actriz. Conhecer actores aqui é conhecê-los como pessoas. E é isso que faço no meu país. Vamos ao teatro e depois do espectáculo vamos ter com os actores, ou já os conhecemos do conservatório”, explica sobre os meandros do seu trabalho.

PÚBLICO - A actriz Rita Martins
A actriz Rita Martins @tellers.pt
PÚBLICO - A actriz Mafalda Lencastre
A actriz Mafalda Lencastre @tellers.pt
Fotogaleria
@tellers.pt

Que “não é como os outros empregos da indústria do cinema, para os quais se estuda ou que seja ensinado”, acrescenta, desempoeirada, Avy Kaufman. “É o nosso instinto. É algo que temos, é uma aptidão. Como é que um realizador acredita que eu o compreendo? Quanto mais confiantes somos, melhores profissionais de casting nos tornamos.” A directora que ajudou a construir os elencos de filmes como O Sexto Sentido, O Segredo de Brokeback Mountain, Dancer in the Dark, Lincoln ou de séries como The Night Of elogia o Passaporte (“É um formato fabuloso”), que lhe permite juntar mais rostos à sua base de dados – para o futuro, não para o presente. “Tenho alguns projectos em mãos mas sei que estão à procura de grandes estrelas. Há minutos conheci uma mulher e pensei que se ela fosse uma grande estrela estaria na lista”, admite. E por falar em grandes estrelas, uma escolha sua que tenha sido particularmente feliz? Para me exibir”, sorri, “acho que diria que há muitos anos escolhi o Leonardo [DiCaprio] para Grito de Revolta (1996)”. E o resto é história.

Ser ou não uma estrela é um factor de decisão óbvio. Outros não o são tanto. “É giro perceber as dinâmicas noutros países”, diz a actriz Maria Leite, que integrou o leque de dez seleccionados de 2019. “Descobri aqui que ter rede social é um ‘não’ enorme, porque retira o mistério. Em Portugal, neste momento, há muito peso posto nas redes sociais, nos seguidores que os actores têm. Às vezes um actor é preterido em relação a outro por causa disso”, exemplifica. É uma das grandes mudanças que Priscilla John vem sentindo nos últimos anos, e com incómodo. “Na televisão querem pessoas famosas [nas redes sociais], querem saber quantos milhões de pessoas as seguem no Twitter.”  

Dinarte Freitas, Duarte Gomes, Edgar Morais ou Francisco Froes também estavam entre os actores escolhidos para o evento deste ano, e além de casting directors repetentes como Anja Philip, André Reis ou Richard Cook, vieram pela primeira vez nomes como Mathilde Snodgrass (Sacanas Sem Lei, Jackie). Entre dia 9 e 12, foram-se conhecendo. E percebendo, diz Rita Martins, “que o que o interessa efectivamente é o nosso trabalho”. Os resultados da presença no Passaporte 2019 podem demorar, mas entretanto “há aqui um encontro de profissionais da nossa área que também é muito bom”, defende Maria Leite, abrindo o olhar. “Há uma sinergia que se cria entre intérpretes. Por exemplo, há dois anos houve muita gente que tomou consciência da existência de um sindicato e houve imensos actores que se sindicalizaram nesse ano. Às vezes não temos tempo para fazer um balanço da nossa profissão e reflectir sobre o que é ser intérprete na indústria portuguesa e internacional.”

Sugerir correcção