Fenty: do apelido à inspiração, Rihanna é a sua própria musa

A nova marca de luxo de Rihanna vai ser lançada pelo grupo LVMH no final do mês. A cantora revelou já algumas das primeiras peças.

,8 do oceano
Foto
REUTERS/Simon Dawson

A novidade já corria desde Janeiro: Rihanna vai lançar uma nova marca de luxo, sob a tutela da francesa LVMH. A cantora confirmou a notícia no início do mês e revelou agora as primeiras imagens, bem como a data de lançamento online, 29 de Maio. Antes disso, a marca estreia-se em Paris já esta sexta-feira com uma loja pop-up.

Nas imagens reveladas num teaser e num artigo da T Magazine, revista semanal do New York Times, estão à vista algumas das primeiras peças — óculos arrojados, ganga, camisas, e, em geral, peças que reinterpretam os códigos de vestuário masculino. “Uso-me a mim própria como a musa. [O estilo] são calças de fato de treino com pérolas ou um casaco masculino de ganga com um corpete”, explica a cantora à publicação. 

O formato de distribuição é inovador, sobretudo para um grupo tão assente nos valores da tradição. Em vez de estruturar a marca à volta de colecções semestrais, irá lançar uma série de peças novas a cada mês. No fundo, é um modelo cada vez mais popular, que se assemelha àquele seguido, por exemplo, pela marca de culto desportiva Supreme, que todas as semanas tem novos lançamentos — ou antes, drops — de um número limitado de peças. Como a própria cantora aponta, na entrevista à T Magazine, “eu sou millennial”.

O nome da marca, Fenty, é um dos apelidos da cantora natural de Barbados, e aquele que esta tem usado nos vários negócios ao longo dos últimos anos. Passo a passo, Rihanna tem evoluído de cantora, para ícone de estilo e, finalmente, para uma força criativa. Aumentando ao longo dos tempos a sua influência, começou por fazer uma série de colaborações com a marca desportiva Puma — chegando a assinar várias colecções que passaram pela passerelle. Foi extremamente bem recebida pelo mundo da moda — não apenas pelo estatuto de celebridade, mas pela visão e criatividade das peças. Seguiram-se, com enorme sucesso, a entrada no mundo da cosmética, com a Fenty Beauty, e da lingerie, com a Fenty Savage. Se acordo com um registo de marca apresentado no Patent and Trademark Office dos Estados Unidos, a cantora poderá ainda estar a preparar-se para o lançamento de uma linha de cuidado de pele.

A valor da diversidade, no centro destas duas marcas, ajudou ao seu enorme sucesso desde o momento de lançamento. Manifesta-se na  variedade de tons de base para peles mais escuras, por exemplo, ou na inclusão de todos os tamanhos (até de grávidas) num desfile de lingerie.

Com a Fenty, Rihanna quer continuar a mostrar “quão multifacetada a mulher de hoje é”, como afirma Jahleel Weaver, que começou como stylist de RIhanna e é agora o director de estilo da marca, à T Magazine. “O luxo sempre foi definido no passado por uma mulher, uma marca: sabemos quem é a mulher Saint Laurente, compreendíamos quem era a mulher Céline quando era Phoebe [Philo a directora criativa].”

“Eu nunca quis pôr o meu nome em algo e vender a minha licença. Envolvo-me muito no processo, por isso quis ir com calma e lentamente ir ganhando respeito como criadora”, explica ainda a cantora. Já tinha trabalhado com LVMH, quando lançou a Fenty Beauty em parceria com a Kendo, uma divisão do grupo de luxo. “Eles fizeram-se a proposta [de lançar uma marca de luxo] e nem hesitei, porque a LVMH é uma máquina. O Bernard Arnault [CEO da LVMH] foi muito entusiástico; confiou em mim e na minha visão.”

Responsável por marcas como Givenchy, Christian Dior e Bulgari, a LVMH é um dos maiores grupos de luxo. Tendo em conta que tem crescido sobretudo com a aquisição de marcas já estabelecidas (e tipicamente marcadas pela história, tradição e mestria artesanal), é notável que tenha decidido criar uma marca de raiz. Não o fazia desde 1987, com o criador de moda francês Christian Lacroix.