Caso Hortense Martins: Pedro Marques defende tudo “sempre em pratos limpos”

O candidato do PS defende que todas as matérias relativas à utilização indevida de fundos europeus devem ser investigadas.

Foto
Pedro Marques reagiu durante a campanha eleitoral à polémica em torno dos fundos comunitários Nuno Ferreira Santos

O candidato do PS às eleições europeias, Pedro Marques, reagiu nesta segunda-feira à polémica que envolve a deputada socialista Hortense Martins, avançada pelo PÚBLICO: “Tudo tem de estar sempre em pratos limpos quanto à utilização regular de fundos europeus”, disse em declarações aos jornalistas, durante a campanha eleitoral.

“É matéria que vi, de facto, noticiada e é matéria que, certamente, percebi que é uma questão já com alguns anos. Não tenho neste momento informação sobre se já foi objecto de algum tipo de investigação das autoridades relacionadas com os fundos, mas se não tiver sido certamente todas as matérias são averiguadas e todas as matérias são objecto da devida investigação. Tudo tem de estar sempre em pratos limpos quanto à utilização regular de fundos europeus”, afirmou o candidato socialista.

O PÚBLICO noticia nesta segunda-feira que a deputada Hortense Martins, líder do PS no distrito de Castelo Branco e mulher do actual presidente da câmara local, Luís Correia, conseguiu em 2010 um subsídio de 171 mil euros para a construção de um “Centro de Lazer e Turismo Gastronómico” aberto há 24 meses. Passados três anos, obteve mais 105 mil euros para uma unidade de turismo em espaço rural que também já estava a funcionar à data da aprovação da respectiva candidatura.

O dinheiro foi pago à Investel, uma empresa da família de Hortense Martins e da qual a deputada era gerente. A questão é que os regulamentos comunitários dizem expressamente que os subsídios não podem ser aprovados se os projectos já estiverem concluídos aquando da decisão final sobre as candidaturas.