O “maior evento vegano” da Europa está de volta a Lisboa

Dos enchidos à maquilhagem, é um mundo 100% vegetal. VeggieWorld regressa ao Pátio da Galé a 25 e 26 de Maio com opções que vão muito para além do prato.

,Veganismo
Fotogaleria
Andreas Gebert
VeggieWorld
Fotogaleria
Andreas Gebert
Fotogaleria
Andreas Gebert
VeggieWorld
Fotogaleria
Andreas Gebert
VeggieWorld
Fotogaleria
Andreas Gebert
Fotogaleria
Andreas Gebert
Fotogaleria
Andreas Gebert

Bolos, sushi e enchidos. Suplementos, detergentes, vestuário, cosmética. Desporto e destinos turísticos. Se for 100% vegetal, tem lugar no VeggieWorld.

Cerca de 40 expositores participam em mais uma manga lisboeta do festival que se apresenta como “o maior e mais antigo evento da Europa que promove produtos de origem vegetal”.

Representam grandes empresas, mas também pequenos produtores, a par de instituições que operam em áreas como protecção ambiental, defesa dos animais ou comércio justo. Os selos “biológico”, “orgânico”, “eco-friendly” e “sustentável” são, aliás, recorrentes por aqui.

Além dos expositores, o VeggieWorld tem em funcionamento um auditório e um palco onde se sucedem apresentações, palestras, show cookings e workshops. Os temas variam: alimentação saudável, mitos sobre vegetarianismo, alternativas ao leite, introdução à cozinha raw (produtos consumidos crus), promoção da “justiça climática”, dicas para começar uma start-up na área, etc.

PÚBLICO -
Foto
DR

Direccionado a profissionais e público geral, sejam vegetarianos, veganos, curiosos ou simples interessados em melhorar a alimentação e/ou o estilo de vida, espera atrair mais de cinco mil visitantes ao Pátio da Galé.

É a terceira vez que o festival é montado em Lisboa, depois da estreia em Abril de 2018 e de uma segunda edição em Novembro do mesmo ano.

Fundado em Wiesbaden (Alemanha), em 2011, o evento tem vindo a crescer em números e locais. Barcelona, Berlim, Bruxelas, Copenhaga, Paris e Zurique estão entre as 18 cidades europeias que fazem hoje parte da rota. No total, recebem mais de 100 mil visitantes anualmente. E já não é um exclusivo europeu: este ano, estende-se à China mais uma vez e instala-se em Hangzhou, depois de uma primeira incursão a Hong Kong.