O Teatro do Bairro Alto mostra-se fora de portas antes da reabertura

De 14 de Junho a 7 de Julho o novo equipamento dirigido por Francisco Frazão apresenta-se a Lisboa com vários espectáculos “íntimos e invulgares”

Jardins falam
Foto
Gardens Speak, da artista libanesa Tania El Khoury DR

Antes de reabrir ao público, em data que ainda está por anunciar, o novo Teatro do Bairro Alto (TBA) dirigido por Francisco Frazão terá uma programação fora de portas dispersa por vários espaços de Lisboa. De 14 de Junho a 7 de Julho, o programa (Quase) Teatro do Bairro Alto proporá aos espectadores que queiram ir-se aproximando do TBA e antecipando as inclinações e afinidades artísticas do futuro espaço uma série de “formas íntimas e invulgares” que não são “propriamente teatro" mas pretendem “pensar e transformar o que as rodeia”.

O primeiro desses espectáculos, que se apresentará a 14 e 15 de Junho na Sala das Janelas do Teatro da Politécnica, será Gardens Speak, instalação sonora para apenas dez pessoas da artista libanesa Tania El Khoury “que trabalha a interactividade com o público e o potencial ético e político desses encontros”. A peça parte “das histórias de dez pessoas comuns que foram enterradas em jardins na Síria”.

A 19 de Junho, no Centro Coreográfico Lisboa, que partilha o edifício com o Teatro do Bairro Alto, está prevista uma conferência para cerca de 50 pessoas do arquivista e investigador Ian Nagoski, com histórias e “fragmentos musicais” de comunidades do antigo Império Otomano que migraram no século XIX para os Estados Unidos.

A 22 de Junho, a arquitecta Joana Braga fará um percurso em redor do teatro da Rua Tenente Raul Cascais, Partituras para ir. Dois dias depois participará numa conversa no Centro Coreográfico Lisboa sobre “a caminhada como forma de pesquisa da cidade”.

Neste mesmo espaço, o artista Augusto Corrieri apresentará, nos dias 26 e 27 de Junho, a conferência-performance In Place of a Show, centrada nos edifícios onde acontece a arte do teatro. Andy Field, escritor e co-director do colectivo Forest Fringe, trará depois ao Centro Europeu Jean Monnet, a 29 e 30 de Junho, a performance ​Lookout. Tendo como objectivo uma reflexão sobre as cidades, requer a colaboração de crianças de uma escola primária, que no caso será o Colégio de Nossa Senhora da Conceição da Casa Pia de Lisboa.

A fechar, de 2 a 7 de Julho, Patrícia Portela repõe na reitoria da Universidade Aberta a instalação-performance Parasomnia, recentemente estreada no Porto durante a semana de transição entre o DDD – Festival Dias da Dança e o Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (FITEI). Espalhada por diversas salas “onde se promove a estimulação da produção de melatonina, os vapores de sonolência apropriados à indução de um sono propício à prática do sonho lúcido, a desaceleração dos corpos e o arrastar das vidas”, a peça propõe o acto político de resistir “à compulsão de lucrar com cada segundo de vida”.

O TBA, que com o São Luiz e o novo LU.CA – Teatro Luís de Camões forma a tríade de teatros municipais de Lisboa,​ renascerá em breve no espaço que foi durante décadas a casa do Teatro da Cornucópia, uma das companhias de referência do teatro contemporâneo em Portugal, extinta no final do 2016. Assumirá, em parte, as missões que nos últimos anos estiveram confiadas ao Teatro Maria Matos, fechado desde o Verão passado, aguardando a tramitação definitiva de um concurso público de concessão a privados ganho pela empresa Força de Produção.