O que fica depois do fim de A Guerra dos Tronos — o adeus dos actores e o aumento das audiências

Há mais uma bebida indesejada no episódio, mas a internet ocupa-se da despedida do elenco e das suas opiniões sobre o último acto da série.

,Programa de televisão
Foto
Phil Noble/Reuters

Não há spoilers ao dizer que na noite de domingo, após a exibição do último episódio de A Guerra dos Tronos, os seus actores se despediram do público nas redes sociais. A história, conhecida pelo seu gume afiado na altura de vitimar protagonistas e favoritos, terminou para todos e está a dominar conversas nas redes sociais e nas noites e manhãs interpessoais.

A internet pode ser um terreno minado para quem não viu o 73.º episódio de A Guerra dos Tronos, exemplar maior do medo dos spoilers que nos últimos anos se tornou numa cultura em si. E é “a última série que verás às 3h da manhã”, como titula esta segunda-feira o diário espanhol El País sobre o visionamento em simultâneo com os EUA. Em Portugal, o visionamento é possível no canal SyFy ou no serviço de streaming HBO Portugal.

Na segunda-feira, a HBO norte-americana revelou que o episódio se tornou no seu programa mais visto de sempre, com 13,6 milhões de espectadores em diresto e 19,3 milhões de pessoas a ver na TV e no seu serviço digital HBO Go ou HBO Now. A série por subscrição obteve esta temporada um aumento de dez milhões de espectadores por episódio, em média, em relação à temporada anterior — 43 milhões por episódio só nos EUA, disse o canal à agência Reuters, embora a CNN escrevesse segunda-feira que o número pode chegar aos 44,2 milhões de espectadores. Nem o SyFy nem a HBO Portugal revelaram as audiências em Portugal. A internet esconde também memes, muitos, num fabrico infinito de piadas, reacções e resumos.

É também uma série com um número recorde de prémios. Tem 47 Emmys a condizer com a extensão do seu elenco e com a sua pegada digital. Nas horas após a transmissão do episódio discutem-se os detalhes das suas grandes decisões e mortes, fazem-se críticas ou elogios ao seu último acto e, nas últimas horas, brinca-se com mais uma gaffe. Há uma garrafa de água de plástico, anacrónica e indesejada como o copo de café que afinal não era de uma conhecida marca, a espreitar atrás de uma bota numa das cenas finais — é apenas um vislumbre e, avise-se, a cena em si pode constituir um spoiler contextual.

Independentemente deles, e uma década depois de televisão e de produção de A Guerra dos Tronos, os actores que nela participaram despedem-se nas redes sociais. Alguns actores, como Emilia Clarke (Daenerys Targaryen), passaram de ilustres desconhecidos a rostos centrais da indústria. “O capítulo da mãe de dragões ocupou toda a minha vida adulta. Esta mulher ocupou todo o meu coração. Suei nas chamas do fogo do dragão, chorei muitas lágrimas pelos que deixaram a nossa família cedo de mais e torci o cérebro tentando fazer justiça à Khaleesi e às palavras, actos (e nomes) magistrais que me foram dados”, escreve a actriz num post no Instagram.

Outros, como Sophie Turner, passaram de crianças a adultos na série. “Sansa [Stark], obrigada por me ensinares resiliência, bravura e o que é a verdadeira força”, escreve a actriz no Instagram. “Cresci contigo. Apaixonei-me por ti aos 13 anos e agora, dez anos mais tarde, aos 23 anos, deixo-te para trás mas nunca deixarei o que me ensinaste.” Turner agradece aos fãs, tal como Emilia Clarke, que os considera “mágicos” — “Sem vocês não existimos. E agora a nossa vigia termina.”

John Bradley (Sam Tarly) aproveita a mesma rede social para mostrar o seu primeiro horário de produção de A Guerra dos Tronos, de 19 de Julho de 2010. “Está aqui listado o primeiro ensaio em que conheci o Kit [Harington, que interpreta Jon Snow] e a primeira vez que vesti o figurino que me acompanhou por oito temporadas”, recorda o actor.

O soldado conhecido como Verme Cinzento é interpretado pelo actor Jacob Anderson, que considera a série “a visita de estudo mais doida de sempre” e a sua personagem alguém que passou de “robô a rapaz verdadeiro”, agradecendo a todos que “torceram por ele” e aos membros da “equipa Targaryen” com quem contracenou, bem como às equipas que fizeram a gigantesca série.

Ouça aqui o podcast P24: