Oboísta Samuel Bastos encontrado morto na Suíça

Músico de 32 anos era natural de Barcelos e integrava a Orquestra da Ópera de Zurique. Causas da morte são ainda desconhecidas.

Foto
Samuel Bastos DR

Samuel Bastos, oboísta português que integrava a Orquestra da Ópera de Zurique, morreu no sábado na Suíça. Esta informação foi confirmada por fonte do Gabinete de Comunicação da Câmara Municipal de Barcelos à agência Lusa. São ainda desconhecidas as causas da morte do solista de 32 anos.

O músico era natural da freguesia de Oliveira, concelho de Barcelos. Começou a tocar numa banda filarmónica aos sete anos de idade. Passou para o oboé aos dez. Samuel Bastos era oboísta solista na Orquestra da Ópera de Zurique, cidade onde obteve vários graus de educação musical na Universidade das Artes, enquanto bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian.

Samuel Bastos colaborou com diversas orquestras, nas quais se incluem a Tongyeong Festival Orchestra, da Coreia do Sul, e a Mozarteum Orchestra, de Salzburgo. Venceu vários prémios e provas internacionais: em Julho de 2017, conseguiu o primeiro lugar no concurso internacional de oboé Fernand Gillet-Hugo Fox, nos Estados Unidos.

Samuel Bastos foi um dos músicos portugueses na diáspora que integrou a Orquestra XXI, projecto que venceu o primeiro prémio do FAZ – Ideias de Origem Portuguesa, concurso da Fundação Calouste Gulbenkian e da COTEC – Associação Empresarial para a Inovação.

Em 2012, o músico foi admitido simultaneamente na Herbert von Karajan Akademie der Berliner Philharmoniker e na Opernhaus Zürich. Ao longo do seu percurso profissional trabalhou com solistas, compositores e maestros de renome, como H. Holliger, M. Vengerov, A. Sophie Mutter ou H. Grimaud.

Notícia actualizada: foi corrigido o dia da morte do músico –​ ao contrário do que tinha sido inicialmente avançado, Samuel Bastos morreu no sábado e não este domingo.