Pousadela, uma villa incrustada na natureza

Inspira-se, expira-se, olha-se em redor, volta-se a inspirar e a expirar – e depois deixa-se o Gerês fazer o seu trabalho. Num resort que convida à contemplação, rendemo-nos às evidências e saímos lá para fora. Mesmo à noite, numa varanda com vista para o silêncio.

Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Fotogaleria

Chegamos numa tarde de Março a cheirar totalmente a Primavera. E a vista que temos para a serra Amarela e a do Gerês não podia ser melhor. Ou se calhar até podia.

Estacionamos o carro em frente à nossa casinha de pedra e olhamos em redor. Daquele miradouro ali em baixo o postal deve ser ainda mais perfeito. Descemos, sempre com os olhos postos no que temos à volta. Não é à toa que o slogan do Pousadela Village é among nature”. Estamos no meio da natureza, rodeados dela por todos os lados, e assim vai ser durante o fim-de-semana completo. Ainda ontem, diz-nos Carlos Brito, gerente deste resort que fica a minutos do único parque nacional do país, os garranos desceram a serra e passearam-se aqui mesmo. Se tivéssemos dúvidas, Carlos tem vídeos para mostrar no telemóvel. Será que teremos a mesma sorte?

Por agora, a sorte deixa-nos o miradouro livre: ninguém resiste às selfies e há pouco era um grupo de mulheres que captava o momento em todos os ângulos possíveis. Agora, com o spot só para nós, sentamo-nos para apreciar melhor a paisagem. Lá ao fundo, a água da albufeira da Caniçada corre serena, em volta os montes pintam-se de verde. Não ouvimos um carro e as vozes que enchiam o ar de conversas calaram-se. Sabe bem ouvir o silêncio.

Foto
Nelson Garrido

Deixamo-nos ficar por aqui uns bons minutos, mas Carlos está à nossa espera para nos mostrar os cantos à casa. Estamos a subir a ladeira íngreme enquanto ele nos conta que, antes do Pousadela Village, nada aqui existia. “Está a ver aquelas pedras?”. São enormes, empoleiram-se na paisagem num equilíbrio que nos parece precário. “Isto era assim.” No âmbito do projecto Pousadela, que pertence a dois sócios de Vieira do Minho, ergueram-se então 11 casas revestidas a granito e varandinhas de madeira, mais o edifício principal, onde estão a recepção, o spa, o bar e o restaurante Cávado. O resort abriu portas em Julho do ano passado, já com a operação Verão em velocidade de cruzeiro. Ainda assim, garante Carlos, a ocupação foi excelente, ao género “se mais casas houvesse, mais preenchidas seriam”.

Foto
Nelson Garrido

Cada uma das 11 casas recebeu o nome de lugares da freguesia de Louredo e homenageia uma arte ou ofício da vida portuguesa. Há a Casa da Formiga (linho), a Casa de Celo (pastorícia), a Casa do Covelo (azeite), a Casa do Cubo (moinhos). A que nos calhou em sorte, a Casa Fornelos, é dedicada à pesca e os detalhes notam-se na rede pendurada na parede, nos peixes de porcelana que decoram a casa de banho ou no tom azul-água do sofá. Tem dois quartos, sala e cozinha totalmente equipada, ideal para quem optar por estadias mais longas, mas o grande chamariz é mesmo a varanda de madeira com vista desafogada. Durante a tarde, ainda aproveitamos o sol que mais parece de Verão, mas a noite pôs-se bem fria e aconselha agasalhos – o que não impede uma conversa fora de portas, acompanhada de um copo de espumante já depois do jantar.

Nesta noite de sábado, no restaurante Cávado optamos por bacalhau à chefe e cabrito assado. Bom este último, mas o bacalhau, uma enorme posta suficiente para três pessoas, convence mais. Apresenta-se frito, acolitado por batatas igualmente fritas. De manhã, nesta mesma mesa, tomaremos o pequeno-almoço: esprememos as laranjas para o nosso próprio sumo, dispensamos os ovos mexidos mas não resistimos ao bolo. Vale que nos espera uma caminhada de uma hora.

Foto
Nelson Garrido

Miguel Faria, da Equidesafios, uma das empresas parceiras do Pousadela Village, apanha-nos pela manhã, que acordou radiosa. Vai levar-nos num passeio pela serra, mas antes paramos no Campo do Gerês (concelho de Terras de Bouro), onde está instalada uma das portas do Parque Nacional da Peneda-Gerês. Vale a pena visitar, no primeiro andar, o Museu Etnográfico de Vilarinho da Furna, que retrata a vida naquela aldeia comunitária que acabou submersa pela construção da barragem, no final dos anos 1960. Igualmente imperdível é o Museu da Geira, inaugurado em 2013, e que aborda as técnicas de construção das vias romanas. A Via Nova, que se popularizou como geira romana, ligava Braga a Astorga, em Espanha, atravessando a montanha. O núcleo museológico permite saber mais sobre esta importante via, o que é útil sobretudo para quem quiser percorrer a pé parte deste caminho.

Pela parte que nos toca, estamos disponíveis para voltar e cumprir esta rota, mas, por agora, acompanhamos Miguel pelo trilho da águia do sarilhão. Não o fazemos na íntegra: não temos tempo para mais, pelo que andamos pouco mais de uma hora, dentro da paisagem, até chegarmos à margem da barragem de Vilarinho da Furna. Lá ao fundo, aponta Miguel, ziguezagueia um traçado da geira.

De volta ao jipe e à Pousadela, mas antes subimos à Portela do Homem: o dia de Primavera convida a piqueniques e até a mergulhos na cascata, mas isso é só para os bravos. Nós, os fracos, ficamo-nos pela promessa: para a próxima caminharemos pela geira e cairemos na água. Mas só se conseguirmos ver garranos.

A Fugas esteve alojada a convite do Pousadela Village