“Há uns que falam, falam, falam” e Costa não os viu a fazer nada

O primeiro-ministro usou a rábula dos Gato Fedorento para acusar Paulo Rangel de nada fazer pelo interior do país. Já Pedro Marques fez muitos quilómetros por alguém.

Foto
António Costa apareceu pela quarta vez na campanha LUSA/MIGUEL A. LOPES

A piada foi feita pelo próprio primeiro-ministro, que recorreu à rábula de Ricardo Araújo Pereira do “homem a quem parece que aconteceu não sei o quê” para criticar Paulo Rangel e a sua falta de trabalho pelo interior do país durante os dez anos em que este é eurodeputado: “Há uns que falam, falam, falam, e outros que fazem. É preciso saber quem são os que falam e os que fazem”.

Está bom de saber que o desafio em tom de adivinha não era de difícil resolução. Paulo Rangel seria o que “fala”, Pedro Marques o que “faz”. “Em dez anos, o que é que Paulo Rangel fez pelo interior do país a não ser vir agora aqui andar de helicóptero?”. A pergunta do secretário-geral, gritada aos microfones num jantar-comício na Covilhã, seria bem ouvida pelo convivas barulhentos, que só pararam de conversar com tanta intensidade durante as intervenções de Pedro Marques e de António Costa. A pergunta puxaria pelos apupos da plateia.

Já Pedro Marques, referiu, o candidato socialista às europeias, “tomou decisões fundamentais” enquanto foi ministro do Planeamento e das Infra-estruturas. Entre elas, colocou o IC31 no programa de Investimentos 2030, a estrada que está por concluir para ligar Castelo Branco a Espanha. Outra obra pelo interior do ex-ministro-agora-candidato foi, disse Costa, a ligação ferroviária entre a Covilhã e a Guarda. Ou, como diria Marco do Big Brother, que inspirou a rábula dos Gato Fedorento retomada por António Costa, Pedro Marques “fez muitos quilómetros” pelo interior. 

Perante esta diferença, Costa conclui, dirigindo-se à direita: “Percebo que isso lhes custe muito, que lhes dói muito, e é por isso em vez de terem alguma coisa para dizer a bem pela Europa e por Portugal, alguma coisa de útil a dizer aos portugueses, a única coisa que são capazes de dizer é mal, mal, mal do PS. Não é para isso que alguém é útil na política, porque a política não é local da maledicência, é local para o bem-fazer e é por isso que nós estamos aqui na política”.

Antes de António Costa tinha discursado o candidato socialista, que se dirigiu sobretudo aos jovens, à boleia do discurso de João Galamba, que tinha recordado uma proposta do PSD de criação de uma agência para ajudar os emigrantes. Disse Marques que a opção do PS é pela inovação e por “salários em condições para os jovens ficarem em Portugal e não serem convidados a emigrar como aconteceu ao longo de 4 anos”, disse. “Não queremos agências de emigração, queremos agências de inovação”, reforçou.