Jogo ilegal: cinco detidos e 16 arguidos em operação de fiscalização no Minho

Uma operação da GNR em 61 estabelecimentos comerciais do distrito de Braga levou à detenção de cinco pessoas e constituiu 16 arguidos por crimes de exploração ilícita de jogo, prática de jogo ilícito e posse de armas ilegais.

Foto
nelson garrido

A GNR anunciou esta quinta-feira a detenção de cinco indivíduos numa operação de fiscalização ao jogo ilegal desenvolvida nos concelhos de Guimarães, Fafe, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto e Vizela, todos do distrito de Braga. Na operação, foram ainda constituídos mais 16 arguidos. Em causa estão os crimes de exploração ilícita de jogo, prática de jogo ilícito e posse de armas ilegais.

A operação visou 61 estabelecimentos comerciais, tendo a GNR detectado, em flagrante delito, duas situações de exploração ilícita de jogo e outras duas de indivíduos a praticar jogo ilícito. Num dos estabelecimentos foi detectada uma arma de fogo ilegal, dissimulada numa caneta, na posse do explorador do espaço comercial, e um bastão artesanal.

A operação resultou ainda na apreensão de 19 máquinas de jogo, quatro roletas, duas máquinas de bingo, uma caixa de poker, três tablets e uma impressora de talões. Foram ainda apreendidos 100 euros, dez doses de haxixe, uma arma de fogo adaptada, um bastão e dois telemóveis. A apreensão de haxixe originou o levantamento de dois autos de contra-ordenação por consumo de estupefacientes.

Nesta operação estiveram envolvidos 24 militares da GNR, que contaram com o apoio de quatro inspectores da Inspecção-Geral de Jogos.