Relatório das “rendas da energia” aprovado com acusações entre esquerda e direita

PSD diz que o relatório “reescreve a história” e PCP defende que devia ter ficado plasmado que houve subjugação do PS, PSD e CDS ao poder económico. Bloco de Esquerda quer que EDP devolva ganhos.

António Mexia, presidente da EDP, foi uma das cerca de 50 personalidades ouvidas na comissão
Foto
António Mexia, presidente da EDP, foi uma das cerca de 50 personalidades ouvidas na comissão Nuno Ferreira Santos

O relatório final da comissão de inquérito que identifica rendas excessivas aos produtores de electricidade foi aprovado pelo PS, BE, PCP e PEV, com o PSD a considerar que “não é factual” e o CDS que podia ter ido mais longe.

Após a votação final, que ficou concluída já depois das 20h00 de quarta-feira, o deputado do BE Jorge Costa, relator do relatório, realçou que “quem dizia que a comissão de inquérito ia ser um exercício de arqueologia sobre o passado, enganou-se”, elencando conclusões importantes aprovadas, como “os ganhos ilegítimos com os CMEC [Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual] terem de ser devolvidos, a EDP ter de pagar para manter a central de Sines, a necessidade de corrigir ganhos excessivos das eólicas e de recuperar ganhos indevidos com a dívida tarifária e redução da remuneração com a interruptibilidade”.

O deputado bloquista lamentou as “palavras do PSD”, considerando que “passam um atestado de menoridade ao Parlamento como se o BE tivesse um poder encantatório que gerasse uma maioria de voto” e rejeitou sectarismo na discussão, referindo que muitas das propostas do PSD não foram à votação final porque foram incorporadas entre as versões preliminar e final do documento.

Antes, o deputado Jorge Paulo Oliveira, do PSD, o primeiro a fazer declaração de voto, considerou o relatório final, aprovado com os votos da maioria de esquerda, “uma tentativa de reescrever a história”, fazendo “tábua rasa à realidade vivida por todos que participaram nesta comissão e aos factos que nela foram apurados”.

“As conclusões são apoiadas nas convicções do deputado relator que se recusa a vergar à verdade dos factos”, declarou o social-democrata, acrescentando que “são orientadas pelo desígnio político do BE, contra as empresas e contra as renováveis”.

Também o deputado do CDS Hélder Amaral justificou o voto contra o relatório final por considerar que “o documento traduz a visão política do BE e reflecte as posições já defendidas pelo deputado relator ainda antes do início da comissão”.

“O relatório chega a conclusões com base em opiniões, não tendo em conta muitos dos depoimentos, assim como ignorou a maioria dos cerca de 13 mil documentos recebidos na comissão ao longo de 10 meses”, referiu.

“Não negamos a existência de rendas excessivas no sector eléctrico, mas também não podemos deixar de criticar o conteúdo e conclusões do relatório, que ignora factos e sobrevaloriza opiniões, não sendo fiel ao que realmente se passou nas mais de meia centena de audições”, acrescentou Hélder Amaral.

Já o deputado socialista Hugo Costa explicou que o PS votou favoravelmente o relatório final, depois de terem sido incorporadas várias das propostas de alteração propostas, resultando num documento “politicamente mais sóbrio”, ressalvando a abstenção em alguns pontos, nomeadamente no relativo à extensão do Domínio Público Hídrico.

O deputado realçou que as recomendações propostas devem ser negociadas, “prevenindo custos para os consumidores decorrentes de possível litigância”.

Na sua declaração de voto, Bruno Dias, do PCP, considerou que o relatório final tem “insuficiências”, observando “a necessidade de ir mais longe”, e lamentou a eliminação de referências à Comissão Europeia e à extensão do Domínio Público Hídrico à EDP.

“Impediu que o relatório fosse mais conclusivo na leitura e análise dos factos políticos”, notou o deputado comunista, realçando que “era importante que ficasse plasmado o carácter indissociável das rendas excessivas, como resultado da política energética de sucessivos governos PSD, CDS e PS, subjugados ao poder económico”.

A aprovação do relatório final, ao fim de seis horas de votação na especialidade, acontece um ano depois de a Assembleia da República ter aprovado, por unanimidade, a proposta do BE para constituir uma comissão parlamentar de inquérito ao pagamento de rendas excessivas aos produtores eléctricos.

A comissão contou com mais de 50 audições de especialistas em energia, antigos governantes do sector e os assessores que tinham à época, antigos e actuais responsáveis da Autoridade da Concorrência, da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos e da Direcção-Geral de Energia e Geologia e gestores de empresas, com uma duração total superior a 200 horas.