Pedro Marques sobre si próprio: “O Pedro Marques está calmíssimo”

O socialista aconselha os adversários a falar de Europa para ajudar a combater a abstenção. Pedro Marques promete olhar para o financiamento por fundos das médias empresas e para a harmonização fiscal.

Pedro Marques visitou a Tekever
Foto
Pedro Marques visitou a Tekever LUSA/MIGUEL A. LOPES

António Costa pediu-lhe para continuar a ser ele próprio e Pedro Marques assim fez. “O Pedro Marques está calmíssimo”, respondeu aos jornalistas. Mas nesta quarta-feira surgiu com algumas alterações de comportamento. Voltou a visitar empresas, mas já falou mais com os trabalhadores e ouviu “dicas” de quem está num buraco negro dos apoios comunitários. Por entre as conversas do dia, insistiu na ideia que está aqui nesta campanha a falar de Europa ao contrário do PSD e da “direita” que insiste em “nacionalizar a campanha”.

“Se é possível eu dizer isto, o PSD deve arrepiar caminho, deve mudar esta estratégia de campanha de dizer coisas, de dizer mal por dizer mal, de tudo o que mexe e falar das propostas para a Europa que tem e que não tem”, respondeu em conversa com os jornalistas depois de uma visita à empresa aeronáutica Tekever, em Ponte de Sôr.

O assunto estava na ordem do dia desde ontem. Pedro Marques fez um discurso a criticar o facto de Paulo Rangel, o social-democrata, ter feito um voo de helicóptero sobre as zonas dos incêndios de 2017 e o candidato do PSD devolveu-lhe as críticas na volta do correio dizendo que o socialista está nervoso. “O Pedro Marques está calmíssimo e empenhadíssimo em falar com as pessoas, em explicar propostas para a Europa, em explicar porque a Europa é importante. De facto não foi o Pedro Marques nem a campanha do PS que escolheu andar a sobrevoar a região centro em vez de falar com as pessoas afectadas”, disse.

Ainda nas críticas à campanha dos adversários, disse que “tem faltado elevação à candidatura do PSD” e “manifestamente paciência para falar com as pessoas, até para falar com os jornalistas”, respondeu, lembrando o “momento lamentável” de “sobrevoar a dor” das pessoas. 

A quem foi encontrando pelo caminho, foi pedindo que votassem no dia 26 de Maio, independentemente do partido em que votassem, com preferência, claro, para o PS, foi dizendo.

Uma manhã de bolos e de rosinhas

O dia começou de manhã na fábrica dos bolos Dan Cake, mas o que poderia ser mais uma visita a uma empresa com apoio dos fundos europeus, revelou-se uma visita com várias queixas ou “dicas” para o candidato socialista. A empresa está com algumas dificuldades, acabou por contar o presidente Kantilal Jamnadas, mas estas têm sido ultrapassadas por mote próprio. “Devo ser a empresa em Portugal que menos apoio teve”, conta.

A empresa está numa espécie de limbo na legislação de apoio aos fundos: não é uma pequena e média empresa e não está numa zona de baixa densidade, além disso está com capitais próprios negativos. Tudo junto, impede-a de ser elegível a candidaturas de investimentos nos fundos europeus.

Esta é uma situação que Pedro Marques promete avaliar uma vez que “há instrumentos claramente mais favoráveis para as micro e as PME” e as médias “não conseguem aceder a mecanismos de financiamento tão robustos como as grandes empresas, que têm outra capacidade negocial”. Mas a solução não é fácil e Pedro Marques também não a apresenta. Em respostas aos jornalistas diz que é preciso olhar para os “mecanismos de financiamento quer mesmo com os mecanismos de tratamento fiscal, questões de enquadramento fiscal que são contratualizadas para determinada dimensão de investimento”.

Outro dos assuntos a debater na Europa prende-se com as diferenças de impostos nos países da União. O socialista promete bater-se pela “harmonização fiscal”. Esse caminho, ainda longo, deve começar pelo combate à evasão fiscal, mas também pela “aproximação das bases fiscais”. Na óptica do candidato é possível mexer não nas taxas de imposto, esse é ainda um longo caminho a percorrer, mas na “parte de rendimentos que são ou não tributados que são diferentes de uns países para os outros”. É esta diferença que permite “uma offshorização fiscal dentro do espaço da EU” que se propõe ajudar a resolver.

Pedro Marques mostrou-se satisfeito por poder falar de Europa “É giro que dentro desta conversa convosco estamos a discutir um bocadinho da Europa, temos feito tão pouco isso nesta campanha”, diz aos jornalistas.

Mas a verdade é que é o próprio que admite a dificuldade de trazer a Europa até às pessoas. “Não é fácil falar de eleições europeias com as pessoas” sobretudo porque há muito “ruído”, disse aos trabalhadores da Dan Cake, em Póvoa de Santa Iria.

Neste dia em que foi falando mais com os trabalhadores, naquilo que pareceram respostas a notícias que contaram que no dia de terça-feira não se dirigiu a nenhum trabalhador nas empresas por onde passou, teve a ajuda de peso de duas socialistas que lhe abriam o caminho. “Este é o nosso candidato. E esta é a quarta candidata, a Margarida Marques. Eles estão naturalmente eleitos, mas é importante votar”, disse Maria da Luz Rosinha, deputada e ex-presidente da câmara de Vila Franca de Xira que fez as honras da casa.

Até o dono da empresa acabou por dar uma ajuda extra a tentar convencer os funcionários da fábrica: “Dependemos mais da Europa do que de nós próprios”, contou a uma empregada a dada altura.