Autarcas e militantes de Pampilhosa da Serra falham jantar com Rangel em sinal de protesto

O candidato a eurodeputado tinha agendado uma visita a uma aldeia do concelho que foi retirada da agenda da campanha. Na altura que deveria visitar o concelho, Rangel estava a sobrevoar a zona centro do país de helicóptero.

Fotogaleria
Paulo Rangel cancelou visita a Pampilhosa da Serra LUSA/TIAGO PETINGA
Fotogaleria
Militantes do PSD desmarcaram presença em jantar LUSA/TIAGO PETINGA

Meia centena de militantes do PSD de Pampilhosa da Serra cancelou a presença no jantar com o cabeça de lista do partido às europeias, marcado para a noite desta terça-feira, em sinal de protesto pelo cancelamento à última da hora da visita de Paulo Rangel ao concelho. À hora que deveria estar em Pampilhosa da Serra, Paulo Rangel sobrevoava de helicóptero a área ardida pelos incêndios de 2017. “Vimos esta mudança de planos como um desprezo por este território”, fortemente afectado pelos fogos, declarou o vice-presidente da câmara, Jorge Custódio.

As pessoas que se tinham inscrito no jantar ficaram desiludidas quando o presidente da distrital do PSD de Coimbra, Paulo Leitão, informou que, afinal, a visita à aldeia Vale de Serrão, afectada pelos incêndios em Pedrógão Grande, não se iria realizar. O vice-presidente da câmara e presidente da secção do PSD de Pampilhosa da Serra disse ao PÚBLICO que os autarcas e os militantes a nível local “estão indignadas com a desconsideração” de que foram alvo.

“Sou vice-presidente da câmara, presidente da secção do PSD de Pampilhosa da Serra e membro da distrital de Coimbra e o que ficou articulado é que nesta vinda da comitiva ao norte do distrito é que os candidatos viriam aqui fazer uma visita para ver o que foi feito ou não em relação aos incêndios”, contou o dirigente, questionando: “Como é que os candidatos ao Parlamento Europeu vão discutir a questão da coesão social de helicóptero?”

Revelando que foi informado na segunda-feira de manhã através de um telefonema do presidente da distrital, Paulo Leitão, o autarca, que disse ter tudo preparado para a visita, assumiu que todos se demarcam desta estratégia eleitoral. “Não me sinto representando por alguém que quer discutir a questão da coesão territorial através de uma visita de helicóptero”, diz Jorge Custódio, acrescentando: “Não esperava uma coisa destas de Paulo Rangel, embora acredite que a decisão de cancelar a visita possa não ser da sua responsabilidade, mas antes da estrutura de campanha”.

Também o presidente da Câmara de Pampilhosa da Serra, José Brito, se insurgiu contra a decisão de cancelar a visita e considerou “uma afronta à população” o voo de Paulo Rangel sobre as áreas devastadas pelos fogos em 2017.

Fonte do PSD disse ao PÚBLICO que Jorge Custódio ficou tão ofendido que poderia demitir-se, mas o autarca garantiu que não. “Estou muito triste e aborrecido, mas não me vou demitir. Vou convocar a secção do PSD de Pampilhosa da Serra ainda esta semana para avaliar a posição que a secção deve ter relativamente à campanha”, concluiu.