Consultor do PSD que terá criado contas falsas no Twitter demite-se

Rodrigo Gonçalves foi escolhido por Rui Rio para gerir as redes sociais do PSD.

Rodrigo Gonçalves é um dos conselheiros nacionais do PSD
Foto
Rodrigo Gonçalves é um dos conselheiros nacionais do PSD Nelson Garrido/arquivo

Rodrigo Gonçalves, consultor de comunicação do PSD, abandonou funções no partido depois de ter sido contratado por Rui Rio, há seis meses, para gerir as redes sociais dos sociais-democratas. Num comunicado citado esta segunda-feira pelo Diário de Notícias (DN), Rodrigo Gonçalves invocou o seu “sentido de responsabilidade” para tomar “a iniciativa deixar de colaborar no plano profissional” com o PSD. 

O anúncio desta saída acontece depois de Rodrigo Gonçalves ter sido referido, numa reportagem publicada pelo DN no sábado, como uma das pessoas que criou perfis falsos em redes sociais, sobretudo no Twitter, para difundir mentiras.

O DN detectou que as contas de redes sociais de quatro militantes do PSD, incluindo Rodrigo Gonçalves, eram as únicas que deixavam “gosto”, partilhavam ou interagiam com os perfis falsos criados. Todas as contas, criadas no início de Março deste ano, publicavam para a mesma hashtag ("#geringonçanuncamais")​, seguiam personalidades do partido social-democrata e escreviam sobre os mesmos temas num curto espaço de tempo. Por outro lado, deixavam sempre elogios a Rui Rio e outras figuras que se encontram actualmente à frente do PSD. O partido negou qualquer ligação com as pessoas que poderiam estar detrás destes utilizadores de Twitter.

No mesmo comunicado, Rodrigo Gonçalves diz que não tem “nenhuma ligação” a esta denúncia. O agora ex-consultor aponta que foi “confrontado com uma notícia com base em argumentos falsos” no que lhe diz respeito e afectou o seu “bom nome, honra e imagem”.

O também conselheiro nacional do PSD diz que só pode associar factores eleitorais com a altura de publicação daquela notícia que podem ser usados como "uma arma de arremesso político contra o dr. Rui Rio” — a quem garante continuar a apoiar — e ao partido.

“Temos assistido a ataques a muitos dos que estão próximos do líder do PSD, desde dirigentes a colaboradores, com um único objectivo de destruir os projectos que tem para o PSD e para o país. Mas comigo não contam para ser bode expiatório dessa campanha”, garantiu Rodrigo Gonçalves.