Universidade do Algarve nasceu há 40 anos de um “acto de rebeldia” dos deputados contra o Governo

As ciências ligadas ao mar são a sua imagem de marca, dentro e fora do país. Atrai alunos provenientes de mais de 70 países. De um universo de cerca de 8 mil estudantes, 20% são de nacionalidade estrangeira.

Foto
VR Virgilio Rodrigues

A Universidade do Algarve (Ualg) nasceu há 40 anos, em contracorrente com a política governamental dominante. Trata-se de uma “instituição singular”, sublinha o reitor Paulo Águas, destacando o facto de ter surgido a partir uma Lei aprovada, por unanimidade, no Parlamento e não por um decreto-Lei emanado do Conselho de Ministros como era habitual. Por sua vez, o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, salienta a “forte oposição do Governo” de então, chefiado por Mota Pinto, contra a descentralização do ensino superior. “Celebramos hoje esse acto de rebeldia mas celebramos, sobretudo, o que o mesmo teve de consequência: uma instituição de ensino superior de sucesso, que granjeia prestígio nacional e internacional”.