Michel Barnier não é candidato a substituir Juncker mas gostava muito de ser

O francês encaixa-se como uma luva na estratégia de Macron e na lógica de formação de uma aliança alternativa no Parlamento Europeu para derrotar a candidatura do Partido Popular Europeu.

,Reino Unido
Foto
Barnier tem-se desdobrado em viagens por vários países europeus, em contactos que se assemelham a uma campanha Francois Lenoir/REUTERS

Michel Barnier, o negociador chefe do “Brexit”, não esconde a ambição de suceder a Jean-Claude Juncker na presidência da Comissão Europeia embora não seja candidato oficial. Numa entrevista ao semanário francês Le Journal du Dimanche, disse que “quer ser útil e tomar parte no debate de ideias”. Sem assumir que quer ser o candidato escolhido pelo Presidente Emmanuel Macron para quebrar a lógica dos cabeças de lista dos grupos representados no Parlamento Europeu, após as eleições, o francês Barnier envia uma mensagem que parece feita à medida.

Os primeiros-ministros socialistas e liberais da União Europeia (entre os quais António Costa), mais o Presidente Macron e o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras decidiram negociar a formação de um bloco pós-eleições, antes de iniciarem as negociações com o Parlamento Europeu, para escolher as novas lideranças dos cargos de topo de UE. Este bloco pode traduzir-se na soma dos eurodeputados eleitos pelos Socialistas e Democratas, pelos Liberais e pelos eurodeputados da lista Renascimento de Macron, bem como dos que forem eleitos pelo Syriza de Tsipras.

A ideia é que este bloco político possa formar uma alternativa ao candidato escolhido pelo Partido Popular Europeu, o alemão Manfred Weber, que suscita pouco entusiasmo – embora Berlim se mantenha firme no apoio ao político da CSU bávara.

Em França, a maioria presidencial de Macron parece cada vez mais inclinada para apoiar uma eventual candidatura de Barnier à presidência da Comissão – que ele não pôde formalizar na altura certa, devido ao seu envolvimento nas negociações do “Brexit”. O facto de este gaulista que ainda pertence aos Republicanos ter dito que votará na lista Renascimento (República em Marcha e Movimento Democrático) para as europeias ajuda um pouco. Ajudará mais o facto de nas múltiplas viagens e discursos que Barnier tem feito por cidades europeias ter adoptado a divulgação de ideias compatíveis com os projectos do Presidente francês.

Desde logo, na entrevista ao Journal du Dimanche deste domingo, Barnier defende a necessidade da formação de “uma coligação de projectos que reúna vários grupos [políticos] para responder à cólera social, que não se exprime apenas através das ‘coletes amarelos’ em França”.

Num momento em que o Presidente francês retoma o dossier do Ambiente para as europeias – depois de ser muito criticado por deixar estas questões para trás, fazendo mais fogo de vista com o tema do clima do que acções verdadeiramente significativas –, Barnier propõe um Green New Deal para a Europa, para lançar políticas adequadas à urgência climática. É também uma deixa que lhe abre as portas para negociar com Os Verdes no Parlamento Europeu, que já tinha entreaberto com um artigo em Abril, divulgando as suas ideias.

Segundo o Le Monde, Os Verdes não veriam com maus olhos que Barnier sucedesse a Juncker, e louvam a sua capacidade de escutar. “Ele mostrou-se bastante aberto às nossas ideias de controlo das finanças quando foi comissário europeu do mercado interno”, disse o eurodeputado belga Philippe Lamberts ao diário francês. Lamberts sonha também em participar com uma aliança para eleger lideranças favoráveis ao seu partido, após as eleições europeias.

“A retórica de Barnier não é simplesmente a de um cidadão preocupado – é a de alguém que faz campanha”, escreve o Politico. Determinou os quatro pilares que diz serem fundamentais para o futuro da União Europeia: o Green New Deal, as migrações, a economia, sobretudo as mudanças impostas pela evolução da tecnologia, e defesa e segurança.

Os temas são actuais, e estão de acordo com as grandes linhas identificadas pela União Europeia – e pelo Governo de Macron, que é um grande influenciador do rumo da UE.

Mas isso não quer dizer que a reviravolta a favor de Barnier possa ser dada como assegurada. Há muitos factores que podem travá-la.

Desde logo, o resultado das eleições europeias – é preciso confirmar se esta grande aliança para contrariar a hegemonia do Partido Popular Europeu que está a começar a dar os primeiros terá a força esperada. E depois, podem surgir outros candidatos alternativos.

A comissária europeia Margrethe Vestager é outro dos nomes possíveis – sobretudo se vingar a exigência de uma mudança geracional, feita pelo chanceler austríaco Sebastian Kurz, que com 32 anos é o líder nacional mais jovem e apoiou Weber, que tem 46 anos. No entanto, Kurz não exige especificamente que a presidência da Comissão vá para Weber. Quem o faz é Annegret Kramp-Karrenbauer, a nova líder da CDU alemã, que apoiou sem hesitação o candidato do partido irmão CSU: “Os alemães da nova geração política querem ver um alemão à frente da Comissão Europeia”, afirmou.