Por aqui passou uma tempestade

Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

Vidros partidos, casas sem portas, brinquedos abandonados, retratos deixados para trás — 45 anos de memória. Despojos de vidas já noutras geografias. O Aleixo nos dias do fim assemelhava-se a cenário de catástrofe. Portas retiradas, caixilhos das janelas colhidos, portadas de armários arrancadas, louça de casa de banho levada, cobre extraído como ouro. A oportunidade de uns na perda de outros. Quem ali entrasse sem saber o contexto, julgar-se-ia em contexto de catástrofe. Vítima de um abalo? Mártir de um longo esquecimento? Não, apenas um bairro despejado. “Já ninguém salva o Aleixo”, reconhecia tristemente um morador enquanto se despedia, mais uma vez. Outro, ao lado, vasculhava os escombros em busca de um azulejo amarelo torrado das fachadas. Escolhia o mais bonito. Queria levá-lo casa. Um dia, quando a paisagem portuense já não mostrar as gigantes torres, para alívio de uns e mágoa de outros, há-de contar a quem não se lembre ter guardado um pedaço de um bairro. Uma outra história da cidade.

 

Nasceu com o país livre, em Abril de 74. Esvaziou-se este mês, 45 anos depois. Este é um dos retratos do Aleixo, nas palavras de quem o viveu por dentro. Os dias do fim num bairro portuense onde cidade e país se podem ver ao espelho.

Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Sugerir correcção