Sete passadiços para admirar Portugal

De Norte a Sul, recordamos passeios e passadiços para mergulhar na natureza. Tanto pelo interior, por ribeiras, cascatas e praias fluviais, como pela costa, com os olhos no mar e as ondas à nossa espera.

Foto
Ao longo do rio Paiva Nelson Garrido

Passadiços do Paiva
Arouca

Tornaram-se as estrelas maiores dos passadiços portugueses e levam milhares de pessoas a percorrer o extraordinário percurso pela natureza ao longo do rio Paiva, no Geopark de Arouca. Um caminho de 8,7km de sucesso (x2 com ida-e-volta), com prémios nacionais e mundiais e a promessa de se tornar uma atracção ainda mais impactante quando tiver a maior ponte pedonal suspensa do mundo. Para limitar o impacto, os passadiços têm numerus clausus: 3500 pessoas por dia. Aconselha-se compra do bilhete online, tanto pela segurança como pelo preço, que duplica este ano: dois euros comprado online, quatro presencialmente no dia da visita.

PÚBLICO -
Foto
Nelson Garrido

Passadiços de Sistelo
Arcos de Valdevez

Os chamados passadiços do Sistelo, parte da Ecovia do Vez (com mais de 30km), são não só um “mundo de conhecimento” histórico, biológico e geológico, nas faldas do Parque Nacional da Peneda-Gerês, como também um passeio por trilhos envoltos num “jardim botânico”, entre a tranquilidade e um mergulho profundo na natureza. E com direito a praias fluviais para refrescar.

PÚBLICO -
Foto
Adriano Miranda

Passadiços do rio Gresso
Sever do Vouga

A prova de que os passadiços não se medem aos palmos: têm apenas 1,5km mas são ponto de partida para uma caminhada muito maior. Com um circuito circular, estão cravados numa ligeira encosta, são protegidos pela sombra do arvoredo da montanha e refrescados pela água que cai pela serra do Arestal.

PÚBLICO -
Foto
Nelson Garrido

Passadiço de Vila do Conde
Vila do Conde

Não são só os passadiços que nos levam a passear pela orla costeira de Vila Conde – eles abrem caminho pelas dunas e floresta, pela Reserva Ornitológica do Mindelo. Por isso, o passeio pode ainda crescer, para além dos 8,5km de percurso ao longo da área de Paisagem Protegida Regional do Litoral de Vila do Conde.

PÚBLICO -
Foto
Adriano Miranda

Passadiços da Ria
Aveiro

Um passeio pelo sistema lagunar e uma paisagem admirável, que tanto pode ser pedonal como ciclável: são 7km, num percurso que liga o centro da cidade (sendo que os passadiços propriamente ditos começam no Cais da Ribeira da Esgueira) a localidades mais rurais. Para admirar a fauna e flora, a vida da ria marcada pela passarada, voar os olhos pela andorinha-do-mar ou garças. 

PÚBLICO -
Foto
Mário Lopes Pereira

Passadiço da Cresmina
Guincho, Cascais

As dunas ocupam 66 hectares e o passadiço menos de 2km. Mas há que sublinhar que este círculo, que se percorre sem esforço, é um mundo de informação e de belas paisagens, com um pé na área protegida do parque natural Sintra-Cascais, a ver as aves ou as plantas que vingam no areal. Ideal para fazer antes ou depois de um mergulho refrescante no sempre carismático mar do Guincho, com passagem pelo Núcleo de Interpretação da Duna da Cresmina, bem localizado e com direito a uma “rua” com nome bem a propósito: rua da Areia.

PÚBLICO -
Foto
Mário Lopes Pereira

Passadiço de Alvor
Portimão

Para ver outro Algarve, um passadiço que nos leva a admirar o estuário da ria e o cordão dunar, entre contrastes – incluindo entre o longo areal e os resorts, a natureza e os veraneantes. E mais: por aqui, os olhos estão sempre a voar para a passarada, que a observação de aves é um dos focos do passeio, que pode continuar por mais natureza.