Coreia do Norte lança mísseis, EUA apreendem navio de Kim

O regime de Pyongyang está insatisfeito com o falhanço da cimeira no Vietname entre Kim Jong-un e Donald Trump, e Washington está a retomar lógica de confronto.

Rasto do lançamento de um míssil na semana passada
Fotogaleria
Rasto do lançamento de um míssil na semana passada Reuters/HANDOUT
Kim Jong-un esteve no local dos testes na semana passada
Fotogaleria
Kim Jong-un esteve no local dos testes na semana passada LUSA/KCNA

A Coreia do Norte fez um novo lançamento ontem, do que devem ser dois novos mísseis de curto alcance, avançam as autoridades da Coreia do Sul. É o segundo lançamento em menos de uma semana, e os Estados Unidos começaram a responder com uma ofensiva diplomática.

Desta vez, o lançamento aconteceu quando o enviado especial os Estados Unidos para a Coreia do Norte estava em Seul, a capital sul-coreana, diz a Reuters e o Presidente sul-coreano, Moon Jae-in, interpretou estes ensaios como um protesto de Pyongyang por Donald Trump e Kim Jong-un não terem chegado a acordo sobre o levantamento de sanções à Coreia de Norte na cimeira dos dois líderes no Vietname, em Fevereiro. “A Coreia do Norte pareceu insatisfeita por não ter podido fazer um acordo em Hanói”, disse Moon Jae-in à televisão sul-coreana KBS.

O projéctil foi disparado a partir de uma Sino-ri, um local a Noroeste na Coreia do Norte, onde se julga existir uma base de lançamento de mísseis balísticos de curto e médio alcance Rodong, diz o New York Times.

Durante o dia, os EUA apreenderam um navio norte-coreano de transporte de carvão, que acusam de violar as sanções impostas ao país.

Ao mesmo tempo, no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, em Genebra, o diplomata norte-americano Mark Cassayre classificou a situação na Coreia do Norte como “deplorável, sem paralelo no mundo moderno”, e apelou ao “encerramento e desmantelamento dos campos de prisioneiros políticos”.

Investigadores da ONU calculam que entre 80 mil a 120 mil pessoas estejam em detenção nestes campos, onde há tortura e outras violações dos direitos humanos, num nível que poderá ser classificado como crime contra a humanidade.