PSP e GNR apanham 117 condutores ao telemóvel por dia

Desde Janeiro já foram registadas 14.158 infracções. PSP e GNR lançam operações no terreno.

Foto
Uso do telemóvel ao volante é associado ao aumento do número de mortes nas estradas portuguesas Chris Roussakis/REUTERS

A PSP e a GNR já detectaram 14.158 condutores ao telemóvel desde o início do ano, o que corresponde, em média, a 117 infracções por dia. Se a tendência continuar, o número de autuações por uso indevido do telemóvel deverá, no final do ano, ser superior ao total registado em 2018. No ano passado, registaram-se 39.276 infracções por uso do telemóvel na estrada.

Os números são avançados pelo Correio da Manhã esta terça-feira. Especialistas do sector associam o uso do telemóvel aos números da sinistralidade rodoviária em Portugal e ao aumento das mortes nas estradas portuguesas nos últimos anos. De acordo com dados da PSP, entre 1 de Janeiro e 30 de Abril foram registados 4.998 acidentes, que provocaram 53 mortos, 231 feridos graves e 5.888 feridos ligeiros.

Até domingo, a PSP vai fiscalizar este comportamento de risco através da operação Phone Off. Segundo o mesmo jornal, também a GNR terá em curso a operação de fiscalização Smartphone, Smartdrive, que visa “contribuir para a diminuição do risco de acidentes e para a adopção de comportamentos mais seguros dos condutores”.

Estudos recentes, citados pelo Correio da Manhã, sugerem que o uso do telemóvel durante a condução pode ser tão ou mais perigoso do que conduzir sob o efeito de álcool. No plano de acção da Comissão Europeia para a próxima década, a “condução distraída” chega a ser considerada um factor de risco maior do que o álcool ou a velocidade.

A multa pelo uso do telemóvel durante a condução pode variar entre os 120 e os 600 euros, o que significa que, contabilizando pelo valor mínimo das coimas, até ao final de Abril as multas aplicadas aos condutores portugueses ultrapassaram os 1,7 milhões de euros.