Sem Firmino, Salah e Keita, o Liverpool ainda acredita

Barcelona parte em clara vantagem para a partida desta noite em Anfield Road após vencer na 1.ª mão das meias-finais da Liga dos Campeões, por 3-0. Apesar de muito desfalcados, ingleses mantêm esperança

O Barcelona venceu em Camp Nou, na 1.ª mão, por 3-0
Foto
O Barcelona venceu em Camp Nou, na 1.ª mão, por 3-0 Reuters/SUSANA VERA

Seis dias depois de perder em Camp Nou por 3-0, o Liverpool não deita a toalha ao chão e mantém a esperança de chegar pelo segundo ano consecutivo à final da Liga dos Campeões, mas apesar de em Anfield Road tudo ser possível, a missão da equipa de Jürgen Klopp será ainda mais hercúlea devido à ausência por lesão de três das principais figuras dos “reds”: Naby Keita, Roberto Firmino e Mohamed Salah. Com a derrota por 3-0 de há um ano em Roma bem fresca na memória, resultado que custou a eliminação de Ernesto Valverde nos quartos-de-final da prova, os catalães deram folga aos titulares no fim-de-semana e prometem jogar sem pensar na vantagem de três golos. “Seria um erro”, adverte Ernesto Valverde, técnico espanhol.

Sem direito a folgas na Premier League - a luta com o Manchester City pela conquista do título inglês manter-se-á até à última jornada -, o Liverpool entrará hoje em Anfield Road consciente que o resultado em Camp Nou “não ajudou muito”, mas ontem, no frente-a-frente com os jornalistas, Jürgen Klopp deixou uma certeza: “Tentaremos ganhar o jogo, esse é o objectivo. A situação não é a que gostaríamos, mas se tivermos alguma oportunidade de passar a eliminatória, tentaremos aproveitá-la”.

Porém, para garantir um lugar na final de 1 de Junho em Madrid, Klopp terá que improvisar para atacar o Barcelona. Com o guineense Keïta fora de combate durante oito semanas após lesionar-se em Camp Nou na 1.ª mão, o treinador do Liverpool já sabia que internacional brasileiro Firmino, com um problema muscular, também era uma carta fora do baralho e ontem deu mais uma má notícia aos adeptos dos “reds”: Salah também não vai jogar. “Sofreu uma concussão [frente ao Newcastle] e não está disponível. Não podemos colocá-lo em campo. Sente-se bem, mas não está apto do ponto de vista dos nossos médicos. Ele está desesperado, mas nós não podemos forçar a situação”, avançou o técnico alemão. 

Sem um dos seus pilares no meio-campo (Keita) e sem dois dos três melhores marcadores (Salah e Firmino), Klopp deverá apostar no holandês Wijnaldum para jogar ao lado de Milner e Henderson, enquanto no ataque Sadio Mané é indiscutível e deve ser acompanhado por Shaqiri e Origi.
Apesar do cenário sombrio, Klopp apelou ao brio dos seus jogadores para conseguirem tornar “um pouco mais longa” uma campanha em 2018-19 que o alemão qualifica de “incrível”: “O carácter dos rapazes será fundamental. Dois dos melhores goleadores não estão disponíveis e temos que marcar quatro golos em 90 minutos. No entanto, teremos 11 jogadores em campo e tentaremos dar um final adequado a esta Champions. Se conseguirmos passar, será maravilhoso. Se não conseguirmos, vamos cair de forma bonita.”

Com um currículo de respeito em Anfield Road – ganhou metade dos quatro jogos disputados no campo do Liverpool -, o Barcelona entrará em campo fresco e quase na máxima força. Com o título espanhol já garantido, Ernesto Valverde deu folga no fim-de-semana em Vigo a todos os jogadores que foram titulares frente ao Liverpool na 1.ª mão e entre os atletas mais utilizados, tem apenas uma baixa: Ousmane Dembélé está lesionado. O francês, no entanto, dificilmente entraria nas primeiras opções de Valverde para o jogo de Anfield Road, onde Messi terá ao seu lado no ataque um ex-jogador dos “reds”: Luis Suárez. Com Rakitic, Busquets e Vidal certos no meio-campo, a dúvida no “onze” dos catalães será entre Coutinho, outro velho conhecido de Anfield Road, e Sergi Roberto.

Embora considere que a ausência de Dembélé é “um problema”, Valverde reconheceu que a ausência dos habituais titulares em Vigo permitirá que “todos estejam bem” em Liverpool, num jogo onde a vantagem alcançada em Barcelona “não terá influência” na postura dos catalães que têm como referência a eliminatória do ano passado frente à AS Roma, onde foram eliminados com uma derrota por 3-0 em Itália após vencerem por 4-1 em Camp Nou. “As experiências servem para aprender. Sabemos que tivemos um mau resultado no ano passado e o futebol dá novas oportunidades. Sabemos o que estamos a jogar e estaremos muito concentrados”, conclui Valverde.