Quercus apreensiva com “desconstrução” das torres do Aleixo

Associação quer fazer do Aleixo um “projecto-piloto de boas práticas ambientais”. Demolição selectiva, como está a ser estudada para o prédio Coutinho, em Viana do Castelo, permite maior reaproveitamento de materiais

Range Rover
Foto
Bairro do Aleixo, inaugurado em 1974, deixou de ter moradores no início do mês de Maio PAULO PIMENTA

As fotografias que têm visto das três torres do Aleixo chegam para a Quercus identificar “grandes quantidades de materiais” que, depois de serem transformados em “resíduos de construção e demolição” (RCD), podem ter uma segunda vida. Seja pela entrada no ciclo de economia circular do sector da construção, como materiais em segunda mão ou como matérias-primas secundárias, os RCD “apresentam índices de reciclabilidade que variam entre os 80 e os 98%”. Por isso, a associação ambientalista ofereceu ajuda para transformar a desconstrução do bairro portuense onde já não mora gente num “projecto-piloto de boas práticas ambientais”.

A carta foi enviada a Rui Moreira, embora não seja à Câmara do Porto que cabe a tarefa de “desconstruir” as torres. Com a entrega dos terrenos do Aleixo à Invesurb, prevista para esta terça ou quarta-feira, fica nas mãos do Fundo Especial de Investimento Imobiliário a missão de “apagar” as torres da paisagem.

O presidente da autarquia já revelou que não se repetirá o cenário de 2011 e 2013, quando as torres 4 e 5 foram implodidas por ordem de Rui Rio. Mas sobre a desconstrução prevista disse apenas que demorará “cerca de seis meses”. Num comunicado enviado ao PÚBLICO, a Quercus diz ver com “apreensão” este caso e recorda que o método de “demolição selectiva”, com objectivo de “reaproveitamento dos materiais em bom estado”, é mais benéfico do que o da “demolição tradicional, recorrendo a meios mecânicos”.

Uma obra desta natureza, continua a Quercus, “obriga a um plano de prevenção de resíduos de construção e demolição”, responsabilidade do “dono de obra”. Essa estratégia permite, logo à partida, fazer “uma triagem de todos os resíduos gerados”. Se o processo for conduzido como a associação recomenda, é possível reutilizar, por exemplo, elevadores, sanitários, torneiras e ainda reintroduzir em novos processos materiais como madeiras ou gesso.

Num estudo feito em parceria com o Portal da Construção Sustentável, a Quercus já percebeu, no caso do prédio Coutinho, em Viana do Castelo, que “o aproveitamento de materiais de construção reutilizáveis/ recicláveis, ronda uma percentagem de 90%”. E isso significa uma “poupança directa no mínimo de 20% do valor total associado à gestão de resíduos”.

Em Portugal, a lei obriga a uma incorporação de apenas 5% de materiais reciclados em obras públicas. Mas, até 2020, o país terá de cumprir as recomendações da Europa e subir essa percentagem para os 70%. “Só implementando estas técnicas nos poderemos aproximar das metas europeias”, sublinha a Quercus.