Casinos: Turismo de Portugal gastou 338 mil euros mas reconhecimento facial não funciona

Sistema para controlar o acesso dos jogadores às salas de jogos foi adquirido em Dezembro de 2016 por ajuste directo, mas até agora não funciona.

Cassino
Foto
Contrato para a aquisição do sistema de reconhecimento facial foi adquirido por ajuste directo em 2016 Reuters/BOBBY YIP

A 31 de Dezembro de 2016, o Turismo de Portugal, presidido por Luís Pestana Araújo, contratou, por ajuste directo, o serviço de reconhecimento facial, sistema para ajudar a controlar e a travar a entrada, por exemplo, dos viciados em 11 casinos. O valor do contrato com a Companhia IBM Portuguesa foi de 337.833,63 euros, a que acresceu ainda o IVA. Mas o sistema, até hoje, não funciona.