Kane Reinholdtsen/Unsplash
Foto
Kane Reinholdtsen/Unsplash

Megafone

Falar em público: do medo à superação

Para casos menos críticos, em que a dificuldade de se expor é focada em momentos pontuais, como falar em público, a “recuperação” é mais simples, pois é uma capacidade que pode ser aprendida e controlada.

A mão, de repente, fica suada. A garganta seca. As pernas não param de tremer e a cabeça funciona a mil por hora. A apresentação vai acontecer dentro de alguns minutos e a única coisa que a pessoa pensa é: “E se eu não conseguir?”. Entra num estado mental negativo do qual não consegue sair.

A timidez é um dos transtornos psicológicos mais comuns nas pessoas. Cerca de 60% sofrem com alto nível de acanhamento. É caracterizado por um medo acentuado de situações onde o indivíduo tenha que falar ou estar em público e está directamente associado a situações em que ele precisa demonstrar o seu desempenho, seja falando com pessoas desconhecidas ou apresentando um projecto profissional, por exemplo.

Na minha empresa somos muito procurados por executivos que têm medo de falar em público e se sentem inseguros para encarar momentos decisivos. No entanto, basta olhar um pouco mais para o lado para perceber que muitas vezes a timidez extrapola o mundo corporativo e interfere não só no trabalho, mas na vida académica e na vida social como um todo.

A fobia social (que é completamente diferente da introversão) é caracterizada por pessoas que tendem a distorcer a avaliação de suas experiências, por um medo irracional, persistente e intenso de uma ou de várias situações sociais ou de desempenho. As pessoas que possuem fobia social são detentoras de pensamentos negativos que rebaixam o seu poder de capacidade perante as demais e perante a elas mesmas.

Não acreditam em si e têm pavor da reprovação alheia pela crença de uma suposta incapacidade de execução. São frequentemente considerados dois tipos de fobia social: a ansiedade social generalizada, que é o medo de qualquer comunicação ou relação social; e a ansiedade social específica, que surge apenas em determinadas situações (como falar em público).

As causas podem ser diversas. Estudos apontam que cerca de 30% dos casos são atribuídos a causas genéticas. Os outros 70% restantes estão relacionados com a vivência de uma situação intensamente embaraçosa, o que firma no inconsciente a crença de que é necessário sempre causar uma boa impressão para ser bem aceito na sociedade.

O famoso bullying, experiências marcantes de rejeição e sofrimento no relacionamento interpessoal ou padrões exagerados de perfeição, superprotecção ou isolamento dos contactos sociais podem criar nas crianças mais ansiedade do que necessária. Ou, em casos mais graves, traumas que serão levados para a vida adulta.

Como o “padrão de perfeição” está cada vez mais intenso na sociedade, o medo de passar vergonha acompanha paralelamente esse aumento. As pessoas tendem a cobrar-se demais, não admitem errar e este grau de exigência é reflectido num alto nível de ansiedade. O medo principal é o de ser o centro das atenções e expor as próprias fraquezas. E, assim, ser considerado um incapaz pelas outras pessoas.

Para os casos mais graves, existem tratamentos intensos que vão desde o treino de habilidades sociais até a uma reestruturação cognitiva. Mas, para casos menos críticos, em que a dificuldade de se expor é focada em momentos pontuais, como falar em público, a “recuperação” é mais simples, pois é uma capacidade que pode ser aprendida e controlada.

Se tens medo de falar em público, segue estas três dicas:

1) Observa os sintomas do corpo: se perceberes que as tuas mãos estão suadas, que a tua voz parece trémula e que o teu coração está agitado, respira e inspira calmamente. Senta-te e toma consciência da situação. Controla os pensamentos automáticos, que são prejudiciais, e substitui-os por pensamentos positivos. Externa a ansiedade para alguém.

2) Estuda sobre o que vais falar: esse é um dos maiores segredos para uma apresentação tranquila e equilibrada. Domina o assunto, tem o raciocínio lógico da apresentação na cabeça. Não sejas refém da falta de preparação.

3) Pratica, treina e ensaia: treina com pessoas da tua confiança. Filma-te e assiste à tua performance para observar onde podes melhorar. Ensaia a tua postura e pontos de conexão com o seu público. Supere-te.

Um breve relato: na adolescência, a superação da gaguez fez com que eu descobrisse a importância da comunicação não só para minha vida pessoal, mas posteriormente para minha vida profissional. Sou a prova de que é possível superar as dificuldades de falar em público. Hoje, disseminar a comunicação com excelência tornou-se o meu propósito de vida.