Ciclone Fani obriga a Índia a retirar 1,2 milhões de pessoas do seu caminho

Tempestade entrou em terra no estado de Odisha, no leste do país, e é a mais forte desde 1999.

Ciclone Fani
Fotogaleria
Pescador guarda as suas artes antes da chegada do ciclone Reuters/STRINGER
,Ciclone
Fotogaleria
Um dos centros de acolhimento das pessoas retiradas do percurso do ciclone Reuters/RUPAK DE CHOWDHURI
Ciclone Fani
Fotogaleria
LUSA/STR
,Terra firme
Fotogaleria
Reuters/STRINGER
,Ciclone
Fotogaleria
Reuters/STRINGER
,Ciclone
Fotogaleria
LUSA/STR
,Orissa
Fotogaleria
Reuters/RUPAK DE CHOWDHURI

O ciclone Fani chegou à costa oriental da Índia com ventos que chegaram a 205 km/hora e chuvas torrenciais e 1,2 milhões de pessoas foram retiradas das áreas do percurso desta tempestade de grau 5 antes de chegar a terra, no estado de Odisha.

A cidade turística de Puri, popular para os peregrinos hindus devido aos seus templos, sofreu bastantes danos, diz a Reuters.

O Comissário Especial de Socorro de Odisha, Bishnupada Sethi, explicou que as comunicações foram interrompidas em algumas áreas, mas até ao momento não há conhecimento de mortes ou ferimentos.

Até cerca de 60 km para o interior da costa, ventos a alta velocidade arrancaram árvores e postes de electricidade na capital do estado, Bhubaneshwar, onde o aeroporto foi encerrado. As escolas foram também fechadas, relata a Reuters. No estado vizinho de Bengala Ocidental, foi também encerrado o aeroporto de Calcutá.

A Indian Oil Corporation, tem nesta zona a maior refinaria indiana, com capacidade para tratar 300 mil barris de petróleo diariamente. Foi construída para suportar ventos de 250 km/hora e não parou a produção, mas todos os trabalhadores devem ficar no interior das instalações. Das plataformas de exploração de petróleo e gás na costa do Andhra Pradesh foi retirado todo o pessoal, por precaução.

No Bangladesh, meio milhão de pessoas começaram também a ser retiradas de suas casas e deslocadas para abrigos - prevê-se que o Fani chegue lá no sábado.

A época dos ciclones na Índia dura a de Abril a Dezembro, e é normal que grandes tempestades façam graves estragos em cidades costeiras, que se traduzem em grande número de vítimas e danos à propriedade e às colheitas. O mesmo acontece no vizinho Bangladesh.

Em 1999, um superciclone atingiu a costa do estado de Odisha durante 30 horas, e fez dez mil mortos. Em 2013, a evacuação de quase um milhão de pessoas antes da chegada de outro ciclone salvou milhares de pessoas.