De que cor é o cavalo branco de Napoleão?

Ana Isabel Castro estreia-se com uma surpreendente peça em que subverte com ironia e erudição os pressupostos da criação coreográfica.

Foto
DR

Marengo dá nome ao famoso cavalo de guerra de Napoleão, baptizado após o sucesso da Batalha de Marengo (1800) que opôs o exército francês às forças austríacas, mas também à nova criação da jovem coreógrafa Ana Isabel Castro, apresentada em estreia nacional no passado sábado na Mala Voadora, com curadoria do Teatro Municipal do Porto (TMP), no âmbito do DDD — Festival Dias da Dança + FITEI — Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica. Uma versão inicial da peça fora já apresentada há cerca de um ano no ciclo Palcos Instáveis — uma iniciativa da Companhia Instável, em coprodução com o TMP, para incentivar o trabalho de criadores emergentes da cidade do Porto e do Norte do país.

O mesmo mistério que rodeia a história e a figura deste cavalo, o subtil desconcerto que em pergunta nos serve aqui de título, e um contraste de paradoxos e alegorias barrocas revestem Marengo, este espetáculo coreográfico, de uma belíssima e inquietante força plena de ambivalências: entre a criação e a morte, a ingenuidade e a provocação, o visível e o invisível, o saturnino e a exuberância.

A artista está presente — é o que nos ocorre quando entramos pela lateral da black box até à plateia. Perante a figura da coreógrafa, recortada na escuridão sob um foco de luz, num vestido vermelho barroco que lhe cobre os pés, olhar fixando e acompanhando, um a um, os espectadores, num cumprimento que se funde, estranhamente, em generosidade e desafio, recordamos a célebre performance de Marina Abramovic no MoMA, em 2010, em que esta recebia individualmente os visitantes para um contacto de olhar.

Black-out. Dá-se início a uma composição coreográfica clássica em três actos, com um coro de três vozes a pressagiar cada momento. Três entidades soturnas, cujas figuras nos recordam a personagem da morte em O Sétimo Selo (1957), de Ingmar Bergman, as suas vozes entoam versões tão magníficas quanto angustiantes de Nancy Sinatra, como a que abre o primeiro momento, Summer wine, com uma intensidade que magnetiza o público, ou a célebre Bang bang (My baby shot me down), cantada em modo fúnebre, abrindo o segundo momento. Após cada interlúdio coral, o black-out prepara a coreografia que se segue. Ao som da 1ª sinfonia de Beethoven, com a intérprete em blusa transparente de tule negro e calças pretas de látex brilhante, o primeiro momento coreográfico enuncia a combinação dos contrastes que irão pautar toda a composição: gestos de grande proficiência técnica são subvertidos por apontamentos muito subtis de ironia e provocação que desafiam o público e distorcem a linguagem coreográfica.

No segundo acto, profundamente provocador, Ana Isabel Castro, em figurino branco com apontamentos barrocos, senta-se no centro do palco em pose altiva, e é seguida por uma performer afro-portuguesa que lhe faz lentamente umas longas tranças, com a severidade que antecipa um momento dramático, evocativa de iconografia da época que figura serventes ou escravos negros.

Foto
DR

No último acto, novamente ao som de Beethoven, cai um pano rendado branco que filtra a visão do movimento da bailarina em palco pelo público, acentuando a invisibilidade e o mistério que atravessa a peça.

O coro regressa uma terceira vez e é com as suas vozes que se fecha esta travessia dramatúrgica que oscila entre imagens fortemente pictóricas e cristalizadas no tempo, quadros coreográficos de uma bailarina entre o negro e o branco, a delicadeza e a provocação, e o som de vozes em uníssono que emanam de figuras pressagiadoras do peso dos tempos.

Partindo de uma estrutura clássica, Ana Isabel Castro subverte com ironia e erudição os pressupostos da linguagem e da composição coreográfica. Estreia-se com uma surpreendente peça de dança enquanto espectáculo, que combina rigor técnico com um cuidadoso desenho sonoro e de espaço, convocando uma ampla constelação de referências em permanente inquietação: históricas e críticas, pictóricas e musicais, intimistas e oníricas.

Texto alterado para incluir informação adicional sobre uma anterior apresentação da peça