Paulo Rangel: “Temos uma visão pragmática da Europa e não uma visão utópica como o PS”

Paulo Rangel defende a reforma da União Económica e Monetária, com prioridade para a conclusão da União Bancária, que considera uma urgência, e propõe a criação de uma capacidade orçamental reforçada que se traduza numa espécie de subsídio de desemprego em países mais afectado por choques económicos.

Candidato a um terceiro mandato, o eurodeputado social-democrata comenta o resultado das eleições legislativas em Espanha que não ajudaram a uma clarificação do ponto de vista político e diz que o Vox (que elegeu 24 representantes) teve uma entrada forte. Quanto à Aliança, de Santana Lopes, e ao Chega, de André Ventura, são movimentos sem futuro e que não ensombram o PSD. Uma entrevista PÚBLICO/Rádio Renascença para ouvir esta quinta-feira, às 13h.