Problemas no carregamento de cartões Andante nas caixas Multibanco sem fim à vista

Dificuldades começaram a fazer-se sentir no início de Abril. Pedido de actualização do sistema foi feito à SIBS pelos Transportes Intermodais do Porto em Março, embora a empresa responsável pela rede Multibanco ainda não tenha conseguido satisfazer as solicitações.

Foto
Ines Fernandes / Publico

A SIBS e os Transportes Intermodais do Porto (TIP) não conseguem apontar uma data para o fim do impasse gerado em torno dos carregamentos do cartão Andante nas caixas das redes Multibanco e ATM Express. As queixas começaram a surgir no início de Abril, mês que coincidiu com a actualização de tarifas que deu origem ao recém-criado passe único.

Perante as dificuldades sentidas, os utilizadores que contactaram a linha de apoio da Metro do Porto foram confrontados com a informação de que este meio de carregamento estaria inoperável por iniciativa da SIBS, que só o recuperaria depois de todas as empresas de transporte chegarem a acordo com o TIP, de forma a integram o núcleo de transportadoras abrangidas pelo passe único.

Segundo Jorge Morgado, representante da entidade que acomoda os transportes da Área Metropolitana do Porto (AMP), esta informação não corresponde à versão oficial do organismo. O problema deve-se, na visão de Jorge Morgado, a um “atraso na actualização do sistema” que a SIBS tem implementado, já que a nova configuração de carregamentos constitui uma “nova realidade” que a antiga base de dados ainda não suporta. “O modelo anterior contemplava uma quantidade de informação manifestamente inferior.”

Questionado sobre uma possível data para a resolução da questão, Jorge Morgado preferiu não se comprometer, devido à falta de garantias de que dispõe para o cumprimento de prazos.

Embora uma nova versão tenha sido solicitada em Março, a SIBS ainda não conseguiu corresponder ao pedido, muito embora esta situação seja compreensível pelo TIP, dado o grande número de alterações que devem ser incluídas na nova versão do modelo: alterações ao nível das designações, novas áreas geográficas e novos operadores. As constantes mudanças no projecto – “conceptualmente idealizado há algum tempo, ainda que a operacionalidade peque em acompanhar” – também não estão a facilitar a operação. “A própria configuração da Área Metropolitana do Porto alterou-se.”

A título do exemplo, o representante referenciou os casos de Paredes e Arouca que passam a integrar as zonas abrangidas pelo modelo de passe único a partir de 1 de Maio. No entanto, esta informação não podia ter sido transmitida à SIBS aquando do pedido inicial, já que, por questões políticas, a adesão ainda não havia sido formalizada. Os atrasos no processo podem ser ainda mais acentuados devido às várias instâncias – AMP, TPI e SIBS – que nele estão envolvidas e a quem se exige fluidez no processamento da informação.

Em declarações enviadas ao PÚBLICO, a SIBS, responsável por operar as caixas de Multibanco e ATM Express em território nacional, desresponsabilizou-se das falhas que têm sido registadas. “A operação não está actualmente disponível por questões alheias à SIBS”. A empresa revelou ainda que tem “total disponibilidade tecnológica” para continuar a assegurar os carregamentos, tal como acontecia antes do passe único entrar em vigor.

Ainda assim, as duas partes manifestam disponibilidade e vontade em solucionar a questão. O TIP justifica o seu interesse em resolver a questão pela “comodidade” que este tipo de serviço representa para os utentes, enquanto que a SIBS ressalva o carácter preferencial que os utilizadores mostram pelas caixas multibanco na hora de efectuarem os carregamentos. Segundo a empresa especializada em soluções de pagamento, “ambas as entidades estão a fazer todos os esforços para disponibilizar a operação com a maior brevidade possível”.