Entrevista

“Há países em que os programas de troca de seringas foram cancelados por razões políticas”

Naomi Burke-Shyne, directora executiva da Harm Reduction International, a ONG que luta há décadas pela defesa dos direitos dos consumidores de drogas, diz que a ascensão dos populistas ao poder pode pôr em risco o apoio aos consumidores. A partir deste domingo centenas de especialistas juntam-se no Porto para participar em conferência internacional.

Naomi Burke-Shyne será uma das oradoras da conferência que, durante quatro dias, reúne centenas de especialistas no Porto
Foto
Naomi Burke-Shyne será uma das oradoras da conferência que, durante quatro dias, reúne centenas de especialistas no Porto Nigel Brunsdon

O número de países que têm no terreno medidas capazes de reduzir os riscos e as doenças associadas ao consumo de drogas, como a morte por overdose e o contágio por VIH ou Hepatite C, estagnou desde 2016. O alerta está no último relatório da Harm Reduction International (HRI), a organização não-governamental com estatuto consultivo junto do Conselho Económico e Social das Nações Unidas, que luta há anos pelos direitos dos utilizadores de droga a terem garantidas condições de segurança e de acesso aos serviços sociais e de saúde.