O Vox entrou como um tsunami no “mar de plástico” das estufas de El Ejido

O melhor resultado da extrema-direita espanhola foi nos campos de agricultura intensiva de Almería, onde há milhares de imigrantes. Ali há uma escola com 60% de alunos estrangeiros que tenta derrubar as fronteiras erguidas por uma população intranquila.

Foto
Campanha do Foz em Almería Adriano Miranda/PÚBLICO

No segundo andar da escola secundária Francisco Montoya discute-se acaloradamente sobre racismo e xenofobia. Acotovelados em volta da mesma mesa, pequena de mais para tanta gente, Sufian, Laura, Ousama, Inês, Safaa e Nora esgrimem argumentos, antes de chegarem, todos, à mesma conclusão. Racismo e xenofobia fazem parte da sua rotina, não há como negá-lo, mas apenas quando estão fora das quatro paredes do liceu, localizado em Las Norias de Daza, nos arredores da cidade espanhola de Almería.