Dia Marítimo Europeu

Investigadores dão a conhecer (e a provar) a ostra portuguesa

A ostra é um promissor recurso natural da nossa costa, dizem os especialistas do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente. Por isso, juntaram-se à produtora de ostras Neptunpearl e durante um dia querem mostrar-nos isso mesmo. Em Setúbal.

A ostra é um promissor recurso natural da nossa costa, dizem os investigadores do Mare
Fotogaleria
A ostra é um promissor recurso natural da nossa costa, dizem os investigadores do Mare Manuel Gomes
Produção de ostras no Faralhão, Setúbal
Fotogaleria
Produção de ostras no Faralhão, Setúbal Manuel Gomes
Célia Rodrigues, produtora da Neptunpearl
Fotogaleria
Célia Rodrigues, produtora da Neptunpearl Manuel Gomes

Nesta sexta-feira, em Setúbal, uma equipa do centro de investigação Mare (da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa) mostra o seu projecto de reabilitação da produção de ostra portuguesa Crassostrea angulata com recurso a microalgas autóctones (Crassoreab).

“Queremos dar a conhecer a importância da cultura da ostra portuguesa nos estuários nacionais”, diz ao PÚBLICO Célia Rodrigues, produtora da Neptunpearl, ostras da Reserva Natural do Estuário do Sado. E acrescenta: “Aproveitamos para divulgar os trabalhos de investigação que estão a decorrer nos Institutos Politécnicos de Setúbal e de Beja e também no Instituto Português do Mar e da Atmosfera.”

Uma acção de sensibilização que se enquadra no Dia Marítimo Europeu, com o tema “A ostra, um promissor recurso natural da nossa costa”. Assim, das 10h às 19h, no n.º13 do Largo António Joaquim Correia (conhecido como “largo da Palmeira”), será possível descobrir o processo de produção e de depuração deste bivalve.

Saborear e registar

Haverá ainda tempo para degustação e para o registo das “sensações” de quem as prova. “Não queremos que as pessoas se limitem a falar em doce ou salgado. Queremos levá-las a observar as conchas, a distinguir as cores e os tamanhos das diferentes espécies, a aperceberem-se da consistência e de outros aspectos”, enumera Célia Rodrigues, com entusiasmo genuíno.

Noutra ocasião, a produtora tinha descrito ao PÚBLICO as diferenças entre a produção nacional e a de outros países. “Aqui em Portugal costumam estar 100 ostras por metro cúbico; em França, são 200 ou mais. Na minha produção, tenho menos de 25”, para explicar que quanto mais espaço existir para o seu desenvolvimento, maior será o seu corpo.

Célia Rodrigues faz ostricultura em aquacultura integrada, sendo as ostras biofiltradoras e ajudando a reduzir a carga orgânica libertada pelos peixes, “porque o sapal é um ambiente já com imensa matéria orgânica”. Aproveita-se a fauna local e as marés. “Interessa mostrar tudo o que aqui habita. Isto é uma maternidade natural. Tudo nasce aqui.”

Este ambiente ajuda a preservar a Crassostrea angulata, a ostra autóctone, que quase desapareceu em 1968 devido à doença das brânquias, que provocou uma crise mundial nas ostras e que em Setúbal se agravou pelo início da industrialização. “É muito importante preservar a Crassostrea angulata na medida em que oferece diversidade genética”, diz a produtora.

Além da projecção de vídeos, estarão expostos vários materiais das diferentes fases de produção. Os visitantes receberão ofertas simbólicas alusivas ao Dia Marítimo Europeu.