Há cartazes nas ruas de Almada a gritar pela liberdade

De Pedro Cabrita Reis a Vhils, 45 artistas contemporâneos criaram cartazes a pensar nos 45 anos do 25 de Abril. O resultado está nas ruas de Almada.

Fotogaleria
Colagem de cartaz do ilustrador André de Loba nas ruas de Almada dr
Fotogaleria
Francisco Vidal dr
Fotogaleria
Cecília Costa dr
Fotogaleria
António Júlio Duarte dr
Fotogaleria
Pauliana Valente Pimentel dr
Fotogaleria
Pedro Cabrita Reis dr
Fotogaleria
Ana Vidigal dr
Fotogaleria
Lord Mantraste dr
Fotogaleria
Maria Trabulo e MaisMenos dr
Fotogaleria
Wasted Rita dr

Era a hora de almoço e, depois do café, três operários, envergando coletes amarelos como aqueles que ficaram famosos em França nas últimas semanas, comentavam entre si qual seria o cartaz mais belo, de entre os 45 dispostos perto da Casa da Cerca, em Almada. “Aquele ali das bóinas é o que se destaca mais”, atira um, referindo-se ao cartaz da artista visual Ana Vidigal, representando seis bóinas militares, com a frase: “Sempre a militar Abril. “Não interessa o que é mais bonito, mas o que é mais directo”, argumenta outro, indicando o cartaz do fotógrafo António Júlio Duarte, com uma mulher negra de atitude desafiante, ou um outro de Pauliana Valente Pimentel, com duas crianças e a frase: “Fascismo nunca mais.”