Multas para três polícias condenados por agressão a jovem em pleno tribunal

Colectivo de juízes de Sintra aplicou pena de prisão que não chegou a um ano e foi convertida em multas entre 1080 e 2160 euros aos três agentes da PSP condenados por agredirem jovem em pleno Tribunal da Amadora. Vão também ter que lhe pagar indemnização de 1500 euros.

Foto
Rui Gaudêncio

Penas de prisão inferiores a um ano, convertidas em multas e ao pagamento de indemnização de 1500 euros ao ofendido: foi esta a decisão do colectivo de juízes do Tribunal de Sintra relativamente a três agentes da PSP condenados por ofensa à integridade física pela agressão a um jovem de origem angolana, em plenas instalações do Tribunal da Amadora, em Março de 2017. 

O mais graduado dos três, o subcomissário Hugo Correia, foi condenado com a pena mais alta, nove meses de prisão, convertida em 2160 euros de multa. Os outros dois agentes, Tiago Pereira e Diogo Ribeiro, foram condenados a seis meses e pagam 1080 euros de multa.

A indemnização a Eugénio Silva será repartida entre os três, disse a presidente do colectivo, Cláudia Martins Alves. Isto para compensar o ofendido dos danos causados, nomeadamente ter-se sentido humilhado e injustiçado — o processo começou com Eugénio Silva a ser acusado pelos agentes —, e por temer cruzar-se com os polícias. O depoimento sereno, calmo, sem empolar os acontecimentos de Eugénio Silva ofereceu credibilidade ao colectivo, acrescentou a juíza.

O tribunal considerou que os factos de que os agentes vinham acusados eram graves e “não teve dúvidas nenhumas sobre o que aconteceu”. Explicou que a diferença de penas para os três teve por base o facto de Hugo Correia ser “o mais graduado” e com mais qualificações “pelo que se impunha outra postura”, nomeadamente que “não fosse o fósforo do que aconteceu”, o que se veio a provar.

Afirmou também que a versão contada pelos agentes ao tribunal, que nunca se mostraram arrependidos, não tinha merecido qualquer credibilidade. Hugo Correia foi absolvido do crime de falsificação de auto e denúncia caluniosa. À excepção da acusação a Hugo Correia de ter agarrado no pescoço do ofendido, as outras agressões foram dadas como provadas. 

A pena acessória de suspensão de funções pedida pelo Ministério Público no seu despacho inicial não foi subscrita pelo tribunal que considerou como atenuantes a ausência de antecedentes criminais dos três arguidos. O tribunal converteu a prisão em multa também por considerar que estes factos “terão sido um comportamento isolado e infeliz” dos três agentes.

Discurso de MP e de juízes divergente

Apesar de, na prática, as condenações do colectivo serem em parte coincidentes com as pedidas pelo procurador que está em julgamento, o discurso foi diferente. No tribunal, a 20 de Março, o procurador José Ramos considerou que “não foram muito graves” os factos praticados pelos agentes. Acrescentou que o uso que fizeram da força estava “no limiar mínimo de uma agressão física” — o ofendido nem sequer precisou de assistência hospitalar, explicou — e que se eles não fossem agentes da PSP “iriam para casa”.

Por isso, pediu que fossem aplicadas multas a dois agentes e pena suspensa ao subcomissário.

Ficou provado, para o tribunal, parte do despacho de acusação do seu colega, o procurador Hélder Cordeiro, que acusava o agente Diogo Ribeiro de ter empurrado o “ofendido Eugénio Silva contra a parede próxima da entrada das instalações sanitárias” no Tribunal da Amadora. De seguida, acrescentava o documento, o arguido Tiago Pereira desferiu um pontapé no peito ao jovem. O episódio passou-se no espaço entre as casas de banho de apoio à sala de testemunhas e a sala dos advogados do tribunal, onde se cruzaram Hugo Correia e o ofendido — que ali estava para tratar de um processo de regulação parental. 

Os três arguidos negaram sempre os factos (segundo o MP, tudo começou com Hugo Correia a perguntar a Eugénio Silva: “Estás a olhar para mim porquê?”). O subcomissário chegou a pedir a abertura de instrução do processo e o juiz do Tribunal de Instrução Criminal de Sintra decidiu que não ia sujeitar os arguidos a julgamento. Mas o MP da Amadora recorreu e o Tribunal da Relação de Lisboa confirmou a acusação.